Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 28 de Fevereiro de 2024

Sidrolandia

Associação quer emenda para ampliar orçamento da UEMS em 2018

A intenção é que os valores cheguem a R$ 254 milhões para Universidade.

Campo Grande News

22 de Novembro de 2017 - 16:13

A vice-presidente da Associação dos Docentes da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), Zélia Nolasco, pediu apoio aos deputados, para que seja apresentada uma emenda ao orçamento, que amplie os recursos previstos para instituição, em 2018. A intenção é que os valores cheguem a R$ 254 milhões para Universidade.

Nolasco explicou que no projeto de orçamento, enviado pelo governo estadual, a previsão é de R$ 194 milhões, no entanto acredita que os recursos são insuficientes para o funcionamento da instituição, assim como pagamento de funcionários e investimentos em pesquisa e extensão.

“Deste valor (R$ 194 milhões) serão descontados R$ 9 milhões referentes aos gastos com a unidade de Campo Grande e de um novo bloco em Dourados. Só para o pagamento da folha de pessoal, a UEMS necessita de R$ 152 milhões”, disse ela, no plenário da Assembleia, durante sessão de hoje (22).

Ela citou que a UEMS tem 15 unidades, em 25 cidades do Estado, com o objetivo “interiorizar” o ensino superior, no Mato Grosso do Sul. “Hoje temos 10 mil alunos, sendo que 85% são do nosso Estado e 76% são oriundos da rede pública, com 85% vindo de famílias que ganham até cinco salários mínimos”.

Os deputados Zé Teixeira (DEM), Pedro Kemp (PT), Felipe Orro (PSDB), João Grandão (PT), Mara Caseiro (PSDB), Renato Câmara (PMDB) e Amarildo Cruz (PT), se colocaram a disposição, para apresentar e apoiar eventual emenda.

Já o presidente da Assembleia, o deputado Junior Mochi (PMDB), vai tentar marcar uma agenda com o governo estadual, para discutir possível ampliação, no orçamento de 2018.

Orçamento – O projeto de orçamento para 2018, prevê uma receita de R$ 14,4 bilhões, que é um aumento de 3,6% em relação a proposta do ano passado, de R$ 13,99 bilhões. Os deputados entenderam que a peça orçamentária tem uma "visão mais otimista", para a economia e finanças de Mato Grosso do Sul.