Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 22 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Avião caiu um minuto antes de pousar em fazenda; amigo localizou destroços

As equipes da FAB chegaram a ir até a fazenda Minador, para tentar descobrir a localização da aeronave e dos cinco ocupantes

Campo Grande News

20 de Outubro de 2013 - 20:30

O piloto do monomotor que caiu na manhã de ontem (19) em Corumbá chegou a comunicar que iria pousar, pouco antes da queda que aconteceu a 1,5 mil metros da pista da fazenda Minador, faltando apenas um minuto e meio para o fim da viagem.

No acidente, morreram o pecuarista Ricardo Jardim de Almeida, 48 anos, a esposa Fernanda Braga dos Santos, 35 anos, a filha Valentine, de 1 ano, a babá Micheli Dias Marques, de 18,  e o gerente da fazenda da família, Rudinei Joca Monteiro, 50 anos.

De acordo com Ruaniffer Martins, 28 anos, que é amigo da família e também piloto, Ricardo havia apenas reportado à Força Aérea que iria pousar e em seguida o monomotor prefixo PT NKO, modelo PA28 Corisco, desapareceu do sistema. “Ele não pediu socorro. Foi uma fatalidade, não foi falha humana, era um piloto experiente, não realizava voos baixos e sem autorização”, ressalta Martins.

A Força Aérea emitiu sinal de emergência quando o pouso não foi confirmado. Ruaniffer foi comunicado e junto de um amigo levantou voo do aeroporto Santa Maria, em Campo Grande, rumo à região. “Por volta das 15h30 recebi esta informação da Força Aérea e desconfiei que a aeronave poderia ter caído. Às 16 horas levantei voo e pouco depois das 17 horas localizei os destroços a 1,5 mil metros da pista”, revela o amigo da família.

As equipes da FAB chegaram a ir até a fazenda Minador, para tentar descobrir a localização da aeronave e dos cinco ocupantes, mas funcionários da fazenda não visualizaram o acidente. “Creio que a mata alta tenha abafado o barulho da queda”, avalia Martins.

Amigo há mais de 10 anos de Ricardo, Ruaniffer diz ter sido um choque encontrar o pecuarista e a família na situação que estavam os corpos. “Todos estavam carbonizados, menos a criança que foi arremessada da aeronave antes e o corpo estava a dois metros dos destroços. O monomotor pegou fogo quando estava no chão”, explica Martins.

Outro amigo da família, Hector Lefevre Filho, 48 anos, diz que Ricardo pilotava há dois anos e era “bem sistemático”, por isso também não acredita em erro humano ou falta de manutenção como causas do acidente.

O monomotor decolou no às 5h20 de sábado do aeroporto Teruel e deveria pousar às 8h na fazenda Minador. Os corpos, chegaram por volta das 16 horas deste domingo à Base Aérea de Campo Grande e seguiram para o IMOL (Instituto Médico Odontológico Legal). Um helicóptero do Esquadrão Pelicano trouxe as vítimas.

Foi possível a identificação de Ricardo por causa de uma corrente de ouro que ele usava. Fernanda estava grávida de 21 semanas, o que também facilitou a identificação. Os demais ocupantes foram diferenciados pelo sexo.

De acordo com amigos e familiares, os corpos de Ricardo, a esposa, a filha e o gerente Rudinei serão sepultados no cemitério da Cemitério Parque das Primaveras. Ainda não foi confirmado o destino do corpo da babá, que morava em Ponta Porã.