Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 19 de Abril de 2021

Sidrolandia

Brasileiro se crucifica em frente à embaixada no Paraguai

González disse que outro homem e uma mulher também se crucificarão para atrair a atenção das autoridades

Terra

12 de Novembro de 2014 - 10:16

Um ex-funcionário da represa Itaipu, compartilhada por Brasil e Paraguai, se crucificou nesta terça-feira em frente à embaixada brasileira em Assunção para reivindicar o pagamento de benefícios que datam da época de sua construção.

"Queremos forçar a reinstalação da mesa de diálogo", disse o representante da Coordenadoria de Ex-Trabalhadores de Itaipu e Contratistas, Carlos González.

O homem, Roberto González, de 61 anos, ficou com vários pregos nas mãos, com os braços em forma de cruz, deitado sob uma barraca na calçada da embaixada. Do outro lado da rua, 60 companheiros instalaram outra barraca de onde realizaram mais protestos.

González disse que outro homem e uma mulher também se crucificarão para atrair a atenção das autoridades. Os manifestantes reivindicam o pagamento retroativo de cinco benefícios recebidos pelos trabalhadores brasileiros da represa e que não lhes foi repassado: vale-alimentação e pagamentos extras por antiguidade, produtividade, férias e trabalho fora de sua região de origem.

O dirigente disse que os governos militares de Paraguai e Brasil da época da obra reconheceram em um protocolo os mesmos direitos aos trabalhadores paraguaios e brasileiros, mas que isso não foi cumprido. A Coordenadoria agrupa 9.500 ex-empregados, dos quase 40 mil que trabalharam na construção da represa.

Itaipu, a hidrelétrica de maior produção do mundo, começou a operar em 1984, com a conexão da primeira de suas atuais 20 turbinas, dez anos depois que Brasil e Paraguai assinassem o tratado constitutivo para dar vida à hidrelétrica na fronteira entre os países, sobre o Rio Paraná.

Com uma produção de 98,6 milhões de megawatts por hora em 2013, Itaipu forneceu 75% da energia consumida pelo Paraguai e 17% pelo Brasil. No lado paraguaio da represa, os ex-funcionários também montaram um acampamento improvisado onde pernoitam por turnos para reivindicar os benefícios.