Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 16 de Abril de 2024

Sidrolandia

Caso Marielly: Polícia pede prisão temporaria de Jodimar Ximenez de 40 anos

O pedido está na 1ª Vara do Tribunal do Júri, corre em segredo de Justiça e ainda não foi analisado pelo juiz Alexandre Ito

O Estado MS

12 de Julho de 2011 - 13:00

Segundo informações do jornal O Estado MS a polícia pediu a prisão temporária do morador de Sidrolândia, Jodimar Ximenez Gomes de 40 anos  e do representante comercial Hugleice da Silva, 25, suspeitos de envolvimento no "Caso Marielly" - desaparecimento e morte da estudante Marielly Barbosa Rodrigues, em Campo Grande. O pedido está na 1ª Vara do Tribunal do Júri, corre em segredo de Justiça e ainda não foi analisado pelo juiz Alexandre Ito.

Na sexta-feira (8), o delegado da DEH, Fabiano Nagata, disse ao Jornal “O Estado” que a polícia está para concluir o caso. A mãe de Marielly, Eliana Barbosa, 39, fez um desabafo: “Quem fez isso com minha filha tem que ter consciência e assumir”. Quando acontece isso, você pensa na frieza de alguém pegar sua filha e jogar no meio do mato.

Jogaram minha filha fora. “Eu criei, eu amamentei, eu fiz tudo” relatou Eliana Barbosa, mãe de Marielly que volta a Campo Grande emocionada. A polícia já havia feito uma apreensão de material cirúrgico na residência onde Jodimar trabalhava como cabeleireiro

Já Hugleice da Silva é cunhado da jovem e trabalha na venda de maquinários na região de Sidrolândia e Maracaju. A suspeita contra ele veio depois de a polícia identificou várias ligações telefônicas e também depoimentos de testemunhas, de que ele seria o pivô de um relacionamento afetivo com a jovem, o que causou constrangimento no seio familiar quando isso veio á tona, Marielly estava gestante, e conforme o IMOL (Instituto Médico Odontológico Legal) a gravidez era de três meses.

Tanto Jodimar quanto o cunhado, já haviam negado as acusações e afirmado que eram inocentes. A denúncia ainda não foi feita pelo Ministério Público, até o momento não foram feitas as detenções, mas uma carta precatória garantiria a prisão de Jodimar.