Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 22 de Fevereiro de 2024

Sidrolandia

Com redução de 32% dos inscritos, 1.275 inscritos, vão fazer neste domingo prova do Enem em Sidrolândia

Uma das razões desta queda, que se verificou em todo o País, é o fato das provas não garantirem certificação para a conclusão do ensino médio.

Flávio Paes - Região News

03 de Novembro de 2017 - 16:08

Em Sidrolândia, as provas do ENEM poderão ser feitas por 1.275 candidatos que se inscreveram para participar do Exame Nacional de Ensino Médio. O número é 32,96% menor que o do ano passado, quando foram 1.902 inscritos e abaixo do registrado em 2015, quando foram 1.934 e de 2014, que teve 2.400.

As provas serão realizadas nas escolas estaduais Catarina de Abreu e Sidrônio Antunes de Andrade e nas municipais, Pedro Aleixo, Olinda de Brito Souza e Natalia Moraes de Oliveira.

Uma das razões desta queda, que se verificou em todo o País, é o fato das provas não garantirem certificação para a conclusão do ensino médio. No âmbito estadual o número de candidatos também caiu 33,9%, a maior redução do País. Neste ano, 92.300 pessoas se inscreveram para fazer as provas do Enem e, na edição do ano passado, foram 139.637 candidatos.

Considerando o custo por candidato, o gasto total será de R$ 8,07 milhões neste ano contra R$ 12,56 milhões de despesas com os alunos em 2016.

Os portões dos locais das provas serão abertos às 11h e fechados impreterivelmente às 12h, conforme o horário de Brasília. As provas começam 30 minutos após o fechamento dos portões.

Parto no Enem

Em 2012, durante a realização das provas do Enem, Sidrolândia ganhou notoriedade nacional, quando a jovem Pâmela de Oliveira Lescano, na época com 18 anos, gestante de 9 meses, iniciou o trabalho de parto dentro da sala de provas, na Escola Catarina de Abreu. Ela deu a luz a um menino, Everton e chegou a falar por telefone, ainda internada no hospital, com então ministro da Educação, Aloysio Mercadante.

Conseguiu fazer as provas no dia reservado à população encarcerada e obteve pontuação suficiente para fazer o curso de administração. Ela acabou abandonando os estudos em 2015, voltou a ser noticia, quando cumpria pena por tráfico de drogas em Jateí.