Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 22 de Maio de 2024

Sidrolandia

Contra maldição de 1980, Inter tenta confirmar bi continental

O Chivas quer estragar o sonho do bi colorado nesta quarta-feira, no Beira-Rio

Terra

18 de Agosto de 2010 - 09:00

O Internacional foi campeão da Copa Libertadores da América em 2006 após bater outro brasileiro: o São Paulo. Mas 26 anos antes disso, o time colorado já havia chegado em uma decisão e sucumbiu contra um rival estrangeiro: o Nacional, do Uruguai. Agora em 2010, o clube gaúcho enfrenta outro adversário de fora do País, o Chivas, às 21h50 desta quarta-feira, no Beira-Rio. No entanto, o clube gaúcho briga contra a maldição de 1980, quando a equipe de Porto Alegre deixou escapar seu então primeiro título continental.

Historicamente, os times estrangeiros são adversários mais encardidos para os brasileiros, já que os clubes do Brasil foram derrotados por esses rivais em 13 decisões de Copa Libertadores.

O time colorado foi uma dessas vítimas, sendo o única equipe sul-americana que possui um título continental e jamais venceu uma equipe de fora do Brasil em uma decisão. Isso, porque todos os clubes que conquistaram a Libertadores derrotaram agremiações estrangeiras na final, com exceção do Inter, em 2006, e do São Paulo, em 2005, que venceu o Atlético-PR, mas já havia sido campeão em 92 e 93, triunfando sobre Newell´s-ARG e Universidad Católica-CHI, respectivamente.

  

Vice com o Internacional em 1980 e campeão com o Peñarol em 1982, o ex-jogador Jair falou com exclusividade sobre sua experiência na competição e lembrou da derrota de 30 anos atrás, quando o time colorado deixou escapar seu primeiro título continental.

"Os times uruguaios e argentinos se preparam o ano todo para vencer a Libertadores e têm muita tradição nesse torneio. Era muito difícil vencê-los", lembrou.

No entanto, apesar de admitir a dificuldade que é enfrentar as equipes estrangeiras na principal competição do continente, o ex-atleta foi enfático quanto ao time de Guadalajara.

"Entre Chivas, Boca, River, prefiro o Chivas 100%. Os argentinos e uruguaios estão acostumados a jogar esse campeonato. Todos na América querem ganhar essa competição. Pegar um Chivas acho que é melhor que enfrentar um time argentino e uruguaio, pois essa equipe mexicana não tem tradição", afirmou.

"Times como Nacional, Boca, River Plate, quando chegam nas finais, se transformam. O Chivas é inferior a esses times e também inferior ao próprio Inter", acrescentou Jair. Apesar de destacar o favoritismo da equipe colorada, o ex-jogador alertou para os perigos da equipe mexicana.

"Acho que o Chivas não jogou bem dentro de casa e fora se saiu muito bem. Isso aconteceu na semifinal, por exemplo, quando desclassificou o clube chileno (Universidad de Chile). É um time perigoso, em princípio difícil e que sabe jogar no contra ataque", ressaltou.

"O time gaúcho mostrou muito potencial, mas precisa tomar cuidado, não pode perder o foco na partida. São 90 minutos e se ficar desatento por um tempinho pode acontecer o pior", completou.

O favoritismo de 1980 pode se repetir:

Na decisão de 1980, o Inter era amplo favorito para o título. Tricampeão brasileiro no ano anterior, em um título conquistado de forma invicta, o time colorado entrava em campo no Beira-Rio como o provável campeão da América.

Com um excelente time liderado por Falcão, a equipe gaúcha foi surpreendida por um Nacional fechado e saiu com um frustrante empate sem gols no jogo de ida em casa. No duelo de volta, uma derrota por 1 a 0 deu um decepcionante vice ao então atual campeão nacional.

Em 2010, o Inter se vê novamente como favorito absoluto em uma decisão de Libertadores, já que venceu o duelo de ida por 2 a 1 e joga pelo empate nesta quarta-feira. Sobre uma eventual vitória do Chivas em pleno Beira-Rio, Jair exaltou que não ficaria surpreso.

"O futebol não tem lógica. Já vi grandes equipes dependerem do empate e perderem em casa. O Inter precisa se impor, todo mundo sabe que o time do Chivas joga no contra-ataque", disse.

"É um jogo de xadrez onde o Inter entra com vantagem, mas vai ter que jogar um bolão para sair com o título", finalizou.