Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 25 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Cresce em 500% o número de acidentes com mortes no trânsito de Três Lagoas

Além das mortes, 353 pessoas ficaram feridas em acidentes nas ruas do município – um aumento de 30,3%, com relação ao mesmo período do ano passado

Midiamax

19 de Maio de 2011 - 13:45

Números apontam que as ruas de Três Lagoas se tornaram palco de inúmeros acidentes. Segundo o comandante do 2° Batalhão da Polícia Militar, Major Molinari, desde o início do ano, cinco pessoas perderam a vida no trânsito urbano do Município – 500% a mais que o mesmo período do ano passado.

Além das mortes, 353 pessoas ficaram feridas em acidentes nas ruas do município – um aumento de 30,3%, com relação ao mesmo período do ano passado.

“Em 2010, até abril, não havíamos registrado nenhum acidente com morte. Esse primeiro quadrimestre foi o mais violento que a equipe da Polícia Militar (PM) registrou até agora. O número de acidentes de trânsito cresceu de forma generalizada. Até aqueles com apenas danos materiais aumentou em 18,02%”, explicou o subcomandante da PM, capitão Élcio Almeida.

Como explicações, para o crescimento trágico dos desastres no trânsito da Cidade, Molinari e Almeida atribuem ao aumento da frota – Três Lagoas tem uma das maiores médias de veículo por habitante do País, um para cada duas pessoas (51.178 veículos para 101.791 habitantes, segundo o censo/2010 – e à grande incidência de pessoas sem carteira de habilitação trafegando pelas ruas.

“Já realizamos 482 autuações, até esse início de maio, com relação a condutores não habilitados. Normalmente são para pessoas pegas pilotando motocicletas, nosso principal problema hoje. A facilidade na aquisição de veículos ciclomotores tem transferido o intenso fluxo de bicicletas para o de motos. Entretanto, as pessoas compram o veículo, mas não tiram a habilitação”, informou Almeida.

Segundo o major Molinari, o horário “de pico” em ocorrência de acidentes é entre às onze horas ao meio dia. “Nesse período, o fluxo de veículos aumenta consideravelmente nas avenidas e, dessa forma, as causas dos acidentes se torna um somatório de motivos – comportamento inadequado do condutor, falta de atenção no trânsito e falta de sinalização”, alegou Almeida.

Para o comerciante Hélio Ferreira da Silva é normal presenciar acidentes nos cruzamentos da avenida Filinto Muller, uma das principais da Cidade. “Tem dias que chego a ver três batidas. Quase sempre é no cruzamento da avenida com a Eurides Chagas Cruz, devido à profundidade da valeta, naquele local”.

“Andar nas ruas de Três Lagoas virou uma roleta russa”

Essa afirmação foi feita pelo vereador, Ângelo Guerreiro (PDT), durante a sessão da Câmara desta terça-feira (17).

De acordo com Guerreiro, a cidade arrecadou em Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA) R$ 9 milhões, fora a cobrança de multas. O vereador alegou que falta sinalização nas ruas da cidade.

“Dos nove milhões, 50% vão para o Governo do Estado e a outra metade vai para a Prefeitura. Desse total recebido pelo Município, apenas R$ 702 mil foram orçados para a sinalização das ruas de Três Lagoas. Não existem placas, nem faixas pintadas nas ruas. Dizer que não tem dinheiro é mentira”, disse Guerreiro exaltado.

O vereador apontou ainda como causas para o aumento no número de acidentes, a falta de iluminação pública e a péssima qualidade das obras de asfalto executadas por empreiteiras contratadas pela Prefeitura. “Estive em uma loja do centro da Cidade e três funcionários tinham se acidentado em menos de um mês. Convocarei o pessoal do trânsito para tomar uma atitude”, finalizou.