Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 22 de Abril de 2021

Sidrolandia

Criação do COMAD leva multidão em passeata antidroga em Sidrolândia

As atividades tiveram inicio logo pela manhã, quando foram hasteados pavilhões às 8h em ato solene na Câmara Municipal.

Marcos Tomé/Região News

11 de Novembro de 2014 - 15:33

Profissionais liberais, empresários, estudantes e autoridades, saíram em passeata na manhã de hoje em dia histórico no combate a disseminação e uso de entorpecentes em Sidrolândia. O evento marcou a criação do Conselho Municipal Antidrogas (COMAD) e atraiu mais de 3 mil pessoas, segundo levantamento da Polícia Militar (PM).

As atividades tiveram inicio logo pela manhã, quando foram hasteados pavilhões às 8h em ato solene na Câmara Municipal. Depois de percorrer ruas e avenidas da cidade, a multidão retornou ao prédio do legislativo onde o projeto de Lei de número 29, de autoria do Poder Executivo, foi aprovado por unanimidade em sessão extraordinária, instituindo o Conselho.

O projeto agora será devolvido ao Prefeito Ari Basso (PSDB), que deve validar a deliberação dos vereadores sancionando a nova Lei nos próximos dias. A iniciativa foi encampada pela juíza titular da 1ª Vara, Cristiane Aparecida  Biberg, Ministério Público, além das Policias Civil e Militar.

COMAD

O Conselho terá 19 membros, com mandato de dois anos renováveis, sendo quatro representantes da Prefeitura; dois da Câmara Municipal; um do Conselho Municipal de Saúde; um do Conselho da Comunidade; um do Judiciário, um dos juízes da Comarca; um Promotor; um defensor público, além do delegado e do comandante da Polícia Militar e seis representantes da sociedade.

Será instituído o Fundo Municipal Sobre Drogas (FEMAD) que além de recursos públicos reservados pela Prefeitura, vai poder captar repasses estaduais e federais, doações particulares, além de recursos obtidos com o leilão de veículos usados no tráfico e bens adquiridos pelos traficantes com o dinheiro, para financiar esta política municipal.

Como a cidade não dispõe de um conselho que formule e coloque em prática uma política de prevenção ao uso e combate às drogas, as instituições locais enfrentam dificuldades para utilizar em sistema de acautelamento, os veículos dos traficantes até que sejam vendidos em leilão. O Conselho Estadual Sobre Drogas acaba privilegiando outros municípios que já dispõe desta estrutura, especialmente a Capital. 

Segundo o delegado Enilton Pires Zalla, o Conselho vai garantir uma ação coordenada e conjunta de toda a sociedade na questão das drogas. “É preciso agir na repressão, com o reforço do trabalho de identificação e fechamento das bocas de fumo, desenvolver ações educativas e também trabalhar no reforço do tratamento e recuperação dos viciados e dependentes químicos”.