Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 3 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Daltro Fiuza decreta emergência em reunião com produtores rurais

Fiuza deverá se reunir com o Governador André Puccinelli na próxima segunda-feira para discutir recursos emergenciais

Marcos Tomé/Região News

12 de Março de 2011 - 12:19

Daltro Fiuza decreta emergência em reunião com produtores rurais
Daltro Fiuza decreta emerg - Foto: Marcos Tom

Osorio Straliotto (Presidente do Sindicato Rural Patronal), Banco do Brasil e Agraer, acompanharam atentamente a explanação do Secretário de Desenvolvimento Rural, Nilo Cervo, sobre a decretação de estado de emergência do município em razão das perdas nas lavouras de soja na região, promovida pelo excesso de chuvas dos últimos dias.

Prefeito Daltro Fiuza, relatou sua preocupação sobre o caso afirmando que tal decreto irá ajudar aos produtores rurais na renegociação das dividas, junto às instituições financeiras. “A base da economia do município e deste país, vem da produção do agronegócio, não podemos ser omissos a situação emergencial vivida pelo setor”, afirmou Fiuza.

Cerca 80 produtores debateram por 2 horas o assunto na referida reunião que contou ainda com a participação dos vereadores: Ilson Peres (PSDB), Waldemar Acosta (PDT), Di Cezar (PSDB) e do presidente, Jean Nazareth (PT). Acredita-se que as perdas em Sidrolândia chegam a 60% da área plantada.

Há divergências entre os produtores quanto aos números apresentados. Existem casos que a perda foi maior e outras situações, menor. O Decreto Assinado pelo chefe do executivo que será encaminhado a Brasília, foi com estimativa de perda de 50%. Outra preocupação dos produtores é quando a área que foi plantada sem a ajuda das instituições financeiras.

Foto: Marcos Tomé/Região News

Foto: Marcos Tomé/Região News

FATIA DO BOLO

Prefeito Daltro Fiuza declarou que Sidrolândia poderá ter parte dos recursos recebidos pelo estado em ajuda aos municípios que foram afetados. “Além das perdas nas lavouras, que terá reflexo futuro na economia do município, temos uma situação de emergência nas estradas rurais que, muitas delas estão intransitáveis, dificultando o escoamento do que sobrou da safra”, afirma.

Segundo Fiuza, há uma preocupação e urgência em recuperar as estradas e pontes no interior e que neste caso, Sidrolândia poderia receber uma fatia dos 5 milhões que já esta na conta do estado, para fins de solucionar, em partes, os problemas vivenciados pelos municípios atingidos.

O governador André Puccinelli explicou que esse valor anunciado, inclui somente os prejuízos que o governo vai ter que sanar, como reconstrução e reforma de pontes, reformas de estradas vicinais e rodovias, desalojamento de famílias ribeirinhas que hoje já totalizam 891 famílias em todo MS e prejuízos com a lavoura de soja.

Com base nas informações de Puccinelli, Fiuza afirmou que irá fazer um levantamento minucioso da situação através de uma comissão que foi formada, para então buscar junto ao governo do estado tais recursos na tentativa de amenizar os problemas causados pelo excesso de chuvas.

Fiuza deverá se reunir com André Puccinelli para discutir tais assuntos na próxima segunda-feira (14), razão pela qual, durante todo o final de semana a comissão deverá percorrer todo o interior do município para levantar todos os detalhes da situação.

Vereador Ilson Peres, que faz parte da comissão de Defesa Civil, disse a reportagem do Jornal Eletrônico Região News, que a situação envolvendo produtores, perdas nas lavouras, estradas e pontes, poderá ser maior do que se imagina. Peres afirma que os prejuízos são incalculáveis.

Na mesma linhagem, afirma o vereador Di Cezar (PSDB). O parlamentar que foi um dos primeiros a percorrer as lavouras e catalogar através de fotos e filmagens o problema, disse em entrevista a TV Record que Sidrolândia poderá contabilizar a pior safra dos últimos tempos.

RECEBIMENTO DE GRÂOS

Em entrevista exclusiva ao “Região News” o gerente da Cooperativa LAR (unidade de Sidrolândia), Rogério Luiz Butzen, afirma que a expectativa de recebimento de grãos no inicio da colheita era de 60 mil toneladas, cerca de 1 milhão de sacos e que agora, é de 36 mil, uma diminuição de 400 mil sacos de soja.

Com base neste comparativo, a empresa armazenadora já calcula 40% a menos que o previsto inicialmente, fator preocupante, pois são receitas que o produtor deixará de contabilizar.