Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Julho de 2024

Sidrolandia

Datafolha: Dilma 47%, Serra 30%.

O Ultimo reduto de Serra. “Se for ruim pro Serra, não vai passar no Jornal Nacional”.Mirian Leitão, Merval Pereira, Arnaldo Jabour, estarão entre ranger de dentes após não ter como derrotar a Dilma.

Tijolaço/Região News/Cláudio P Souza

21 de Agosto de 2010 - 19:32

SERRA tera a pior derro ta de todos os governos que concorreram a presidência.

Datafolha: Dilma 47%, Serra 30%.Q

Quando me disseram que a Datafolha seria anunciada na sexta ou sábado, um amigo me disse: “Se for ruim pro Serra, não vai passar no Jornal Nacional”. Achei que ele estava exagerando um pouco – a última foi ruim pra Serra e mostraram – mas quando me disseram que a pesquisa saiu por volta das 3 da manhã,  só precisei conferir, mas era aquilo mesmo. O último front de Serra ruiu diante da verdade das ruas: Dilma 47% a 30. Fora o baile.

Na primeira pesquisa publicada depois do início da veiculação do horário eleitoral gratuito, a candidata do governo Lula passou a liderar em todas as regiões do Brasil. Seu pior resultado foi um empate técnico (conheço esse empate técnico do Datafolha…) na região sul, onde está com 38% contra 40% de Serra, dentro da margem de erro da pesquisa. Quando tiver acesso ao detalhamento, vou tentar entender esse “empate”. Por ora, contento-me em ver que Dilma, no nordeste, cresceu mais onze pontos desde a ultima pesquisa: 60 a 22 – o que, em se tratando de NE, não assombra, mas orgulha.

Entre os dados publicados até agora, Serra só tem vantagem entre os mais ricos e, mesmo assim, está em queda.

O que estão dizendo é que o detalhamento do resultado vai apontar números ainda mais impressionantes para Dilma (consequentemente, horríveis para o candidato de FHC). Quando eu tiver os dados, posto aqui mais detalhes da nova Datafolha.

Mais tarde também vou apontar aqui quem são os aliados de Serra que já viram as rachaduras no casco e entraram nos botes salva-vidas, fazendo o máximo que podem para se distanciar do “Tucanic”, cujo naufrágio nem é mais uma questão de tempo.