Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 25 de Maio de 2024

Sidrolandia

Dilma e Serra se mantêm sob a sombra de Lula e FHC em debate

Favoritos para o segundo turno da disputa presidencial se apoiam nos predecessores para defender propostas e partir para críticas

Abril

06 de Agosto de 2010 - 09:35

Dois grande nomes do primeiro debate dos candidatos à presidência deste ano praticamente não estavam no debate promovido pela TV Bandeirantes. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ocupante do cargo, Fernando Henrique Cardoso, serviram de base para a defesa de propostas e o disparo de críticas de seus aliados Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), durante o encontro realizado na noite desta quinta-feira (5) em São Paulo.

Ex-braço direito de
Lula, Dilma citou diversas vezes a geração de 14 milhões de empregos e lembrou sua experiência como ministra. No discurso final, afirmou que a experiência ao lado do atual presidente foi “a mais valiosa” de sua vida.

Dilma se antecipou em resgatar a “sombra” dos antecessores ao questionar, já no primeiro bloco, o que Serra faria para criar os milhões de empregos que o
PT conseguiu durante a gestão de Lula. Serra tentou se esquivar de comparações ao dizer que não se deve fazer “campanha com olhos no retrovisor”. Mas atacou a falta de investimentos do governo Lula em portos, aeroportos e estradas como entraves a um crescimento ainda maior do País.

O tucano ainda resgatou sua gestão como ministro da
Saúde ao lado de FHC para criticar a extinção dos mutirões pelo governo atual. Dilma rebateu dizendo que Lula ampliou o número de cirurgias eletivas, aquelas feitas sem caráter emergencial.

Serra comentou o programa "Luz para Todos" do
governo federal, que disse ter sido iniciado no governo do ex-presidente. O tucano defendeu a atuação econômica da gestão FHC, dizendo que ela criou as bases usadas por Lula. Ele alfinetou a rival ao dizer que o ex-ministro da Fazenda do atual governo e coordenador de campanha de Dilma, Antônio Palocci, sempre elogiou a política macroeconômica do governo Fernando Henrique.

Nas considerações finais, Dilma voltou a citar
Lula, defendendo o legado do governo que participou. Já Serra se emocionou, falou do pai e da filha.