Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 22 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Em Aquidauana, suplente vai denunciar vereador por gravação ilícita

Brites encaminhou cópia do depoimento de Péricles junto a PGJ, onde relata que foi gravado de forma ilícita, sem o seu conhecimento

Campo Grande News

09 de Abril de 2011 - 09:29

O suplente de vereador Ademir Brites (PT) ingressará no inicio da semana, na Câmara Municipal de Aquidauana, com denúncia para cassação do mandato do vereador Wezer Lucarelli (PPS) por quebra de decoro e conduta ilícita, por ter gravado ilicitamente o colega de profissão Pericles Garcia.

O vereador e advogado Lucarelli teria prometido R$ 50.000,00 para Pericles comparecer na promotoria e desse depoimento – combinado previamente – esquentando as denúncias formuladas por Lucarelli contra o prefeito e secretários de Aquidauana.

Ademir Brites disse que Péricles compareceu espontaneamente na Procuradoria-Geral de Justiça delatando trama idealizada pelo vereador Wezer Lucarelli.

Brites encaminhou cópia do depoimento de Péricles junto a PGJ, onde relata que foi gravado de forma ilícita, sem o seu conhecimento.

Péricles afirma em seu depoimento junto a MPE que “os fatos narrados pelo declarante ao vereador Wezer, como direcionamento de licitações, acertos de dinheiro com empresas, simulação de compras, comissões, etc. não eram do meu conhecimento, mas sim falácias do próprio vereador (Wezer) que passou todo o teor para eu repetir na frente do Promotor de Justiça e na promotoria e inclusive treinamos em sua residência duas vezes, porém (eu) não sabia que esse “treinamento” estava sendo gravado pelo vereador (Wezer)”.

Péricles delata que passava por sérias dificuldades pessoais e financeiras e que o vereador Wezer o procurou para tirar proveito dessa situação. “Que por esses motivos o vereador (Wezer) lhe ofereceu dinheiro (R$ 50.000,00) para fazer denúncias em relação ao prefeito Fauzi e sua equipe, assim como contra o meu ex-sócio Douglas Figueiredo e outros fornecedores da prefeitura diretamente ao Ministério Público, sendo que dessa forma poderia se vingar (de ter perdido seu contrato com a prefeitura de Aquidauana) e amenizar as dívidas contraídas, de cujo valor (o vereador Wezer) efetivaria o pagamento de R$ 25 mil reais quando relatasse as denúncias perante o MPE e o restante em duas promissórias de R$ 12.500,00 (doze mil e quinhentos reais) cada”.

Brites acredita que a conduta do vereador Lucarelli “fere os padrões da decência, procedendo de forma incompatível com a dignidade da Câmara e com o decoro parlamentar”, dando assim ensejo ao pedido de cassação de seu mandato.