Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 8 de Maio de 2021

Sidrolandia

Em reunião terça-feira, direção do hospital quer convencer prefeito a aumentar para R$ 230 mil repasse e evitar crise

Até agora o hospital fez o pagamento dos salários dos funcionários, mas espera o recurso da Prefeitura para acertar com os médicos plantonistas

Flávio Paes/Região News

05 de Fevereiro de 2017 - 21:23

O empresário Jair do Nascimento, vice-presidente da entidade mantenedora do Hospital Elmiria Silvério Barbosa, tem reunião agendada na próxima terça-feira com o prefeito de Sidrolândia, Marcelo Ascoli, quando espera convencê-lo a ampliar o repasse mensal de R$ 140 para R$ 230 mil do município para o custeio do atendimento de urgência e emergência.

“Sem este recurso adicional de R$ 90 mil, vamos enfrentar dificuldades para manter as contas do hospital em dia e até mesmo o segundo médico plantonista noturno”, alerta Jair, que considera insuficiente o reajuste de 17,35% aplicado de forma unilateral pela Secretaria de Saúde.

Havia uma conversa agendada com o secretário de Saúde, Nélio Paim e a primeira-dama, Ana Lídia, que também interfere na gestão do setor, com o presidente da entidade mantenedora do hospital, Ademir Camilo. Ele preferiu não comparecer na expectativa do retorno do seu vice-presidente, que estava de férias no sul do País. A Secretaria não esperou pela reunião e se antecipou, publicando na última quinta-feira a minuta da renovação do convênio, elevando o repasse para R$ 165 mil.

O valor de R$ 230 mil está previsto na lei das subvenções sociais aprovada em dezembro pela Câmara e sancionada pelo ex-prefeito Ari Basso. “Em 2016, quando recebíamos R$ 140 mil, o hospital enfrentava dificuldades financeira imensas. Se não houvesse o recebimento de um recurso extra de R$ 365 mil do Governo do Estado, teríamos fechado no vermelho”, lembra Jair que em conjunto com o novo presidente, Ademir Camilo fará esta interlocução com o prefeito. 

Ele garante que o valor pleiteado não é nenhum exagero, considerando que o pronto socorro é uma responsabilidade dos municípios, levando em conta, por exemplo, que Maracaju, vai repassar a partir deste ano R$ 1 milhão por mês. Em 2016, o município investiu no Hospital Soriano Correa, R$ 10.362.582,97, enquanto a Prefeitura de Sidrolândia destinou R$ 1.680 milhão e projeta para este ano, R$ 1.980 milhão.

Até agora o hospital fez o pagamento dos salários dos funcionários (em torno de R$ 100 mil), mas espera o recurso da Prefeitura para acertar com os médicos plantonistas que custam aproximadamente R$ 90 mil. O hospital precisa também recolher os encargos sociais, do contrário, ficaria impedido de recursos de emendas parlamentares, sejam do Estado, seja do Governo Federal. 

O Estado ainda não repassou a verba da contratualização (R$ 52 mil) referente a janeiro e dezembro. Também estão atrasados os recursos de outubro, novembro e dezembro (no total de R$ 75 mil), prometidos para o custeio do Centro de Parto Normal.