Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 28 de Maio de 2024

Sidrolandia

Existem quatro casos supeitos de dengue tipo 4

O sistema de monitoramento de dengue da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) detectou quatro pacientes com suspeita do vírus DENV-4 (dengue do tipo 4) em Boa Vista.

Bv News

11 de Agosto de 2010 - 13:10

As amostras estão sendo analisadas pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA), e o resultado oficial deve sair até a próxima semana.
Os bairros onde foram detectados a suspeita da doença são Pricumã, Buritis, Santa Teresa e Cidade Satélite. O primeiro caso suspeito foi notificado em 30 de julho. Uma equipe técnica do Ministério da Saúde (MS), composta por três técnicos (outros dois estão a caminho), vai acompanhar as investigações em Boa Vista.

O primeiro caso teve confirmações preliminares por meio de exames realizados pelo Laboratório Central de Roraima (Lacen). A amostra foi encaminhada, junto com outras 19, ao IEC para contraprova e exames complementares, conforme protocolo do Ministério da Saúde.

Há 28 anos o vírus DENV-4 não circula no Brasil. A preocupação agora é manter o isolamento vrial e evitar que ultrapasse as fronteiras e se prolifere para outros Estados Brasileiros. E essa está sendo a medida inicial.

Segundo o secretário-adjunto Estadual da Saúde, Alexandre Salomão, foi a partir do trabalho de monitoramento, combate e orientação que o vírus DENV-4 foi identificado em Roraima. “O município de Boa Vista tem implementado ações de combate ao vetor de maneira que a resposta a esse problema foi a identificação do DENV-4, ou seja, é sinal de trabalho efetivo de campo”, reforçou.

Além disso, um técnico da Sesau está no Instituto Evandro Chagas acompanhando a investigação das 19 amostras que apontam para dengue. Ele está passando por um processo de aprimoramento para que, ao retornar ao Estado de Roraima, possa aplicar os mecanismos no Lacen.

“A dengue é uma doença de controle estritamente técnico. O mosquito tem características que dificultam o combate, se reproduz em lixos domésticos e as ações de saúde dependem da participação efetiva da sociedade”, alertou Salomão.

Os casos
Das quatro pessoas suspeitas de terem contraído o DENV-4, duas são homens e duas mulheres. Entre os homens, a idade varia de 43 a 45 anos (um pedreiro e outro administrador, respectivamente) e as mulheres, duas estudantes, com idade de 12 e 19 anos.

Os quatro são moradores dos bairros Pricumã, Buritis, Santa Teresa e Cidade Satélite. Apenas um ficou internado, sob observação, e liberado em seguida. A investigação continua.

Ações

Ao todo, 140 agentes comunitários de endemias foram destacados para os bairros Pricumã, Buritis, Santa Teresa e Cidade Satélite. Eles somam o total de efetivo desses servidores e estão realizando busca ativa nas localidades a fim de isolar o vírus e detectar, se possível, a presença de novos casos.

Segundo o gerente do Núcleo de Controle da Dengue, da Sesau, Joel Lima, as ações estão sendo desencadeadas pela Secretaria Municipal de Saúde, sob coordenação do Estado [Sesau]. “Os agentes estão pulverizando os bairros em questão, além de realizar a busca ativa nos domicílios, na intenção de eliminar possíveis criadouros do mosquito, e oferecendo orientações aos moradores sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar o contágio”, enfatizou.

Operação
Técnicos da Sesau, Secretaria Municipal de Saúde e Ministério da Saúde elaboraram um protocolo de busca ativa nos bairros onde foram registrados os casos suspeitos de DENV-4, com a utilização de um questionário para entrevistar pacientes suspeitos.

A equipe técnica visitou as Unidades de Monitoramento Viral para dengue na Policlínica Cosme e Silva, Hospital da Criança e Hospital Geral de Roraima (HGR), além de capacitações proporcionadas aos profissionais da saúde a fim de difundir os cuidados e sintomas que a doença apresenta.

MS

O coordenador do Programa Nacional de Controle da Dengue, Giovanini Coelho, descartou a possibilidade de uma possível epidemia de dengue do tipo 4 em Roraima, considerando a conjuntura atual. “Não temos caracterizadamente uma epidemia”, reforçou.

“O SUS [Sistema Único de Saúde] é um sistema que normatiza, assessora e financia. O estado coordena e o município executa as ações. As três esferas estão reforçando o quantitativo de insumos [equipamentos e pessoal] para manter o controle e eficácia neste momento”, garantiu Coelho.

Conforme ele, a circulação do DENV-4 não se trata de um problema de Roraima e sim de todo o Brasil. “É necessário que esse esforço continue na mesma medida, com responsabilidades compartilhadas para conter o vírus”, enfatizou.

Situação epidemiológica
Até o dia 10 de agosto foram notificados 8.242 casos suspeitos de dengue em Roraima. Desses, 4.773 apontaram para o dengue clássico; 163 para dengue com complicações e 60, dengue hemorrágica.
Descartados foram 1.879 e aguardando resultado, 1.270.

O município com maior incidência para a doença continua sendo Boa Vista, com 2.431 casos de dengue clássico, 144 de dengue com complicações e 56 de dengue hemorrágica. Três pessoas já morreram vítima da doença.
Uiramutã, dentro da Terra Indígena Raposa/Serra do Sol, é o município com menor incidência, somando apenas três casos de dengue clássico.

Em 2009
No mesmo período de 2009, foram notificados 5.131 casos suspeitos de dengue, sendo 2.603 de dengue clássico, 87 de dengue com complicações e 55 de dengue hemorrágica. Descartados foram 2.299.

 

/>

/>