Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 22 de Outubro de 2021

Sidrolandia

FCMS captou R$ 8,5 milhões para a cultura do Estado

A captação desses recursos inseriram MS na rede nacional de Pontos de Cultura, fortalecendo a diversidade cultural sul-mato-grossense

MS Noticias

14 de Janeiro de 2011 - 07:51

O governo do Estado, através da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, viabilizou nos últimos quatro anos recursos expressivos para a área cultural, estabelecendo parcerias importantes com a União – Ministério da Cultura, Funarte e Iphan – totalizando quase R$ 8,5 milhões, sendo R$ 6.103.232,28 de recursos federais, R$ 2.189.0722,00 de contrapartida do governo estadual e mais R$ 200 mil com o Sebrae/MS.

Esses recursos possibilitaram o desenvolvimento de projetos de maior envergadura cultural e artística em Mato Grosso do Sul, como a implantação de 30 Pontos de Cultura, com recursos que somam R$ 5,4 milhões – sendo R$ 1,6 milhões de contrapartida estadual. A captação desses recursos inseriram Mato Grosso do Sul na rede nacional de Pontos de Cultura, fortalecendo a diversidade cultural sul-mato-grossense.

“Foi um grande incentivo, uma motivação a mais para fazer arte. Os recursos impulsionaram novos projetos, que já alçaram vôo. Creio que o Programa (Pontos de Cultura) foi um dos importantes investimentos para a arte no Estado e selou parcerias importantes na cultura local”, explica Conceição Leite, do Ponto de Cultura Curumins, de Campo Grande.

Os recursos aplicados em parceria entre União e governo do Estado também garantiram a realização do programa Interação. Foram investidos R$ 1.112.500,00 no projeto, sendo R$ 890 mil transferidos pela Funarte – Fundação Nacional de Artes – e R$ 222.500,00 de contrapartida do governo estadual.

O projeto promoveu uma verdadeira revolução no campo da capacitação técnica nas áreas da arte e da cultura em Mato Grosso do Sul. O Interação promoveu no período de março a novembro do ano passado 33 cursos em Campo Grande e 150 distribuídos em nove cidades pólo do Interior. Foram 183 cursos que dinamizaram a arte e a cultura sul-mato-grossense.

Teatro, dança, música, artes visuais e audiovisual foram abordados por professores vindos de diversos estados brasileiros em sua primeira etapa. Na segunda parte, professores formados em Mato Grosso do Sul difundiram o conhecimento para todo o Estado.

Segundo Américo Calheiros, presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, o Interação foi uma maratona nunca vista em Mato Grosso do Sul no que concerne á capacitação na arte e na cultura.“Havia uma demanda reprimida há muitos anos nessa área. O Interação conseguiu supriu esta falta”, garante.

O projeto Brasil Canta MS, com recursos da ordem de R$ 456.530,28 e apoio de R$ 30 mil do governo do Estado permitiu pela primeira vez uma caravana artística composta por música, produtos artesanais e exposições de artes plásticas circular por cinco estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) no mês de novembro passado, divulgando o talento e a produção cultural do Estado.

O projeto Fomento a Bandas e Fanfarras envolveu recursos do Ministério da Cultura (Minc) de R$ 390 mil e contrapartida estadual de R$ 51.990,00, atendendo 13 municípios sul-mato-grossenses com kits de instrumentos musicais, incentivando a formação artística e a cidadania de centenas de jovens.

“Os novos instrumentos aumentaram a possibilidade de atendimento aos jovens que queriam participar da Banda. São mais e melhores instrumentos. Eram 30, agora são 50, o que ajudou a ampliar toda estrutura”, analisa o maestro Carlos Alexandre da Silva, da Banda Municipal de Sidrolândia.

O Marco (Museu de Arte Contemporânea) também recebeu investimentos. Obras de três importantes artistas - Wega Nery, Ignês Corrêa da Costa e Jorapimo – foram adquiridas pelo Prêmio Marcantonio Vilaça, projeto realizado pelo Ministério da Cultura através da Funarte (Fundação Nacional de Arte). O Marco foi premiado com R$ 90 mil, totalmente aplicados na aquisição das obras.

O Centro Cultural José Octávio Guizzo, primeiro espaço público destinado à arte em Mato Grosso do Sul, recebeu R$ R$ 331.561.00 do Minc e contrapartida de R$ 84 mil do governo do Estado e está passando por uma ampla revitalização, proporcionando melhor atendimento ao público e utilização dos espaços para o desenvolvimento de projetos culturais. A previsão é de que no mês de abril já esteja em franca atividade.

Os projetos Interação, Brasil Canta MS, Revitalização do Centro Cultural e Fomento a bandas e Fanfarras foram viabilizados através de emendas parlamentares da senadora Marisa Serrano (PSDB).

O MIS – Museu da Imagem e do Som – recebeu através do Edital de Modernização de Museus do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) R$ 215,823,00, com contrapartida de R$ 21.582,00 do Governo do Estado, na instalação de 3 arquivos deslizantes para todo o acervo e para a reforma da Sala de Projeção. A reforma em andamento adequará o espaço do Museu, instalado no Memorial da Cultura e da Cidadania, a desenvolver suas atividades com maior conforto.

Artesanato – Com investimentos da ordem de R$ 200 mil, sendo R$ 125 mil do Sebrae/MS e R$ 75 mil do governo do Estado, o convênio permitiu o desenvolvimento de ações voltadas para a capacitação e participação em feiras nacionais de centenas de artesãos que atuam em Mato Grosso do Sul.

“A viabilização de parcerias tornou esses quatro anos extremamente produtivos para a arte, fortalecendo a área e dinamizando o cenário artístico e cultural sul-mato-grossense. O apoio do governador André Puccinelli foi fundamental para que essas parcerias funcionassem com sucesso”, analisa o presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Américo Calheiros.