Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 27 de Maio de 2024

Sidrolandia

Felipão diz que está "de saco cheio" de perder

Felipão diz que está "de saco cheio" de perder e não voltou para passar vergonha

Redação Notícias

13 de Agosto de 2010 - 19:26

O técnico Luiz Felipe Scolari não poupou palavras para explicitar seu descontentamento com a situação no Palmeiras na temporada. O treinador disse está ‘de saco cheio’ de perder e pediu mais atitude aos seus jogadores, alegando que não voltou para passar vergonha.

“Estou começando a ficar de saco cheio comigo mesmo, pois não é o que eu esperava. Está passando o tempo e eu estou começando a conversar de forma diferente com os meus jogadores”, declarou. "Não voltei para passar vergonha depois de tantos anos. Vim porque acho que temos condições no Palmeiras, uma das melhores equipes do mundo".

O treinador disse que convidou a psicóloga Regina Brandão para fazer um trabalho de elaboração de um perfil dos atletas que ele tem em mãos no Palmeiras. Segundo Felipão, depois disso ele poderá até tomar atitude mais drástica em relação ao aproveitamento posterior dos atletas.

“A partir da próxima semana vou ter um perfil definido pela Regina e vou trabalhar em cima daquilo que vou ver quem é mais passivo para reagir após uma derrota. Esse tipo de jogador não fará mais parte do grupo”.

Felipão disse também que escolheu “quatro ou cinco” líderes que contam com a sua total confiança para resolver em campo questões que estão longe da sua alçada.

“Pretendo que esses líderes tomem conta dentro de campo da equipe, que sejam meus comandantes e com a minha ordem tomem decisões. Muitas vezes o treinador não está sabendo da situação como é dentro de campo”.

Sem ‘papas’ na língua, o treinador disse acreditar que falta mais espírito de briga aos seus jogadores. “O elenco é bom, mas falta na nossa equipe um pouco de sangue palmeirense, um espírito de briga dentro do vestiário, mais identidade”, explicou.

“Precisamos ter uma identidade maior pelo Palmeiras. Não precisamos amar a camisa, mas sim honrá-la, saber que o salário não é tudo”, cutucou o treinador.