Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 23 de Junho de 2024

Sidrolandia

Fernanda Gomes, suposta namorada do goleiro Bruno, é presa

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público de Minas Gerais e decretou a prisão preventiva do goleiro Bruno e de mais oito suspeitos de participar do desaparecimento e morte de Eliza Samudio.

Bom Dia Brasil

06 de Agosto de 2010 - 08:42

A Justiça aceitou a denúncia do Ministério Público de Minas Gerais e decretou a prisão preventiva do goleiro Bruno e de mais oito suspeitos de participar do desaparecimento e morte de Eliza Samudio. A mulher que seria a atual namorada do jogador foi presa ontem.

Fernanda Gomes deixou o departamento de investigações chorando e algemada. Foi para o Instituto Médico Legal para fazer exame de corpo de delito, um procedimento de praxe. Depois. foi levada para uma penitenciária feminina. A cadeia é a mesma onde está Dayanne Souza, mulher do jogador e também acusada pelo crime.

Fernanda era considerada foragida. Estava escondida na casa dos pais de Macarrão, na periferia de Ribeirão das Neves, na Grande Belo Horizonte. Ela teria vindo para cá na tarde de ontem e, horas depois, foi encontrada pelos agentes. Segunda a polícia, ela não reagiu à prisão.

Além de Fernanda e Dayanne, outras sete pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público pela morte de Eliza Samudio.

Os promotores aceitaram a tese de que Bruno foi o mandante e executor do assassinato, porque ele teria levado Eliza até o cativeiro antes de dar a ordem para matá-la e que não é preciso encontrar o corpo de Eliza para provar que houve o homicídio.

“No caso de um corpo ser encontrado, apenas um documento, uma prova que é o relatório de necropsia é suficiente para isso. Nesse caso, todas as outras provas vão se unir e suprimir a necessidade do relatório de necropisia”, explica o promotor Gustavo Fantini.

Ontem, a Justiça decretou o pedido de prisão preventiva para os acusados. Assim, eles devem aguardar ao julgamento na cadeia. Se condenados a pena para cada envolvido pode passar dos 30 anos.