Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Festa no Bolicho Seco em Sidrolândia resgata tradição de familias pioneiras

A localidade do Bolicho Seco, no município de Sidrolandia, consolidou desde os anos 40,

MS Aqui

08 de Abril de 2011 - 11:00

Descendentes das famílias Oliveira, Pereira, Paniago e Nogueira, que oriundos da região de Uberaba, MG, colonizaram a parte sul de Mato Grosso, estarão reunidos no  próximo dia 10 de abril , na grande festa REENCONTRO, no Centro de Eventos do  Bolicho Seco, em Sidrolandia. Serão homenageados descendentes do  casal Olinda e Clemente  Pereira,  que ajudou a desbravar a região.

Um dos organizadores, João Batista Nogueira, descendente do homenageado, diz que o encontro será mais uma etapa na tarefa de reagregação do grande grupo das famílias que  há mais de dois séculos, se encontraram nas aguas do Rio Pardo. Economista aposentado, residente em Brasíila, ele é autor do livro Família Augusto Paniago Nogueira e  que conta a saga das famílias ao longo do processo de ocupação dos sertões matogrossensens.

Testemunha ocular, desde os tempos de menino,Nogueira recebeu a incumbência  de registrar a historia da famílias, por um pedido de seu pai, Augusto, então com 80 anos.  durante  acompanhamento  hospitalar. Ele queria que sua historia fosse levada para seus descendentes.   Recheada de detalhes e passagens pitorescas, o livro faz um passeio pela realidade do processo de colonização do Estado, registrando o entrelaçamento das famílias, formando gerações de parentes  ao longo de décadas.   De acordo com o registro no livro,  a família que Augusto e Laurentina construíram, tem 141 pessoas, sendo nove filhos, 46 netos, 69 bisnetos e 18 tataranetos.

 A localidade do Bolicho Seco, no município de Sidrolandia, consolidou desde os anos 40,  a partir de uma estação ferroviária  da Noroeste do Brasil no ramal com destino a Ponta Porã. Conhecida por sua terra roxa e clima ameno, a região abriga uma prospera  produção agro-pastoril e indústria. A programação no próximo dia 10 prevê a realização de missa. seguida de almoço festivo, dança, homenagens e leilão de gado.  

CLEMENTE: UM PIONEIRO  DESBRAVADOR DO SERTÃO 

CLEMENTE PEREIRA, também conhecido por GANGUÇU, nasceu no alto Sucuriú, na fazenda São João de propriedade de seu pai, distante 180 quilômetros de Campo Grande. Ainda na infância CLEMENTE ficou órfão de pai e com doze anos foi para a companhia de um tio e padrinho, MANOEL PEREIRA MARTINS, que habitava nas proximidades do rio Vacaria, Região de Sidrolândia, que o educou e o encaminhou na vida, tornando-se mais tarde seu sogro através do casamento com sua filha OLINDA.

A família PEREIRA foi uma das principais desbravadora da Região e, desde que chegou de Minas Gerais, no século XIX, foi se fixando no Sul de Mato Grosso. Fundaram cidades como Campo Grande e muitas renomadas fazendas, destacaram-se na lida rural como grandes criadores de gado. CLEMENTE e OLINDA construíram sua fazenda no planalto divisor das águas do Rio Aquidauana (bacia do Paraguai) e dos rios Ahandui e Vacaria (bacia do Paraná), muito próxima de Campo Grande e cortada pela estrada de ferro Noroeste do Brasil NOB – Ramal de Ponta Porâ. Uma das regiões mais prósperas para a criação de gado cuja característica é terra rocha, muito fértil e a beleza das campinas.

Foi neste cenário que CLEMENTE e OLINDA criaram sua família, ali residente até hoje, e soma centenas de pessoas, filhos, netos, bisnetos e tataranetos que nos receberão para festejar com eles este grande evento que é o REEMCONTRO DAS FAMÍLIAS OLIVEIRA, PANIAGO, PEREIRA E NOGUEIRA.