Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 24 de Junho de 2024

Sidrolandia

Funasa investe R$ 20 milhões e leva água tratada para comunidades rurais

Assessoria

31 de Agosto de 2012 - 08:45

Assentados e remanescentes quilombolas sul-mato-grossenses podem comemorar, pois a Fundação Nacional de Saúde está destinando quase R$ 20 milhões para levar água tratada a aproximadamente 25 mil pessoas, impactando assim, na qualidade de vida da população.

O recurso permitirá a implantação de sistemas de abastecimento de água em 38 comunidades rurais do Estado. Em Corumbá, serão atendidos os assentamentos Paiolzinho, Tamarineiro II Norte, Tamarineiro II Sul e Taquaral, já em Iguatemi a obra irá beneficiar as famílias que vivem na agrovila Nossa Senhora Auxiliadora setores I ao VI e no assentamento Rancho Loma.

Também foram contempladas as comunidades rurais: São Sebastião em Ivinhema; Quilombola São Miguel em Maracaju; assentamento Triunfo em Coxim; Juncal em Naviraí; São Manoel em Anastácio; Comunidade Negra de Terenos; Indaiá I ao IV em Aquidauana, Furnas do Rincão e Vale Verde em Jaraguari; comunidade dos Quintinos em Pedro Gomes.

O município de Antônio João, conta com o apoio da Funasa para a implantação do sistema de abastecimento de água na Associação Vitória na Fazenda Bagagem e Associação Progresso na Fazenda Veranilda; em Santa Rita do Pardo serão atendidas as famílias de São Thomé, Mutum e Avaré, já Sidrolânia contará com recursos para Capão Bonito III, Terra Solidária e São Pedro.

O investimento da Fundação, ainda, beneficiará os assentamentos Nioaque, Andalucia, Uirapurú, Colônia Nova e Boa Esperança localizados no municipio de Nioaque à 145 quilômetros da Capital do Estado, além das comunidades Canaã, Campina, Sumatra em Bodoquena; Santa Paula, Montana em Bataguassu; assentamento São José, associações Girassol e Pé de Cedro em Bonito.

De acordo com o superintendente da Funasa de MS, Pedro Teruel, “o advento da água tratada representa a chegada da saúde, a diminuição significativa de doenças de veiculação hídrica como a diarréia e disenterias como cólera e giardíase e conseqüentemente impactos positivos na qualidade de vida da população sul-mato-grossense”.