Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 28 de Novembro de 2020

Sidrolandia

Gado atacado por moscas do estábulo pode ficar resistente à vacina contra febre aftosa

Há mais de dois anos fazendas localizadas no entorno de usinas estão com grandes quantidades de mosca do estábulo, que se alimenta de sangue dos animais.

Midiamax

17 de Dezembro de 2012 - 10:50

A grave infestação de mocas do estábulo em propriedades rurais no entorno de usinas, especialmente nas regiões de Nova Alvorada do Sul e Maracaju, pode colocar em situação de fragilidade o gado perante a febre aftosa. O alerta é do advogado Victor Salomão Paiva, que representa proprietários rurais em uma ação movida contra uma usina sucroalcooleira.

De acordo com Victor Salomão um veterinário contratado por produtores rurais que estão com animais sendo atacados por moscas do estábulo fez uma análise da carcaça de um bezerro que morreu de anemia. A carne do animal estava esbranquiçada indicado que o sangue foi totalmente sugado. Pela análise, que agora será colocada no papel, os animais podem oferecer resistência de imunização em relação à vacina da febre aftosa.

“Ao não ser os produtores, ninguém mais parece estar levando a sério esta epidemia da mosca do bagaço. Caso os estudos do veterinário comprovem a suspeita, estas propriedades podem apresentar focos de febre aftosa”, alerta o advogado.

Caso ocorram focos de febre aftosa Mato Grosso do Sul perde mercados compradores de carne a exemplo de um possível foco de vaca loca na região de fronteira com o Paraná que já traz problemas de embargos à carne sul-mato-grossense.

Há mais de dois anos fazendas localizadas no entorno de usinas estão com grandes quantidades de mosca do estábulo, que se alimenta de sangue dos animais. Fazendeiros da região de Nova Alvorada do Sul registraram em foto animais domésticos e seres humanos sendo atacados. Eles acreditam que animais silvestres também estão sofrendo com ataque das moscas.

Estudos técnicos, inclusive da Embrapa, indicam que a o vinhoto jogado a céu aberto aliado às altas temperaturas se tornam um ambiente perfeito para reprodução das moscas. Torta de filtro e o bagaço fermentando também são ninhos para postura de ovos do inseto.

De acordo com o advogado, a alta concentração de vinhoto no solo jogado pelas usinas é uma preocupação ambiental dos proprietários rurais, já que temem a contaminação do Aquífero Guaraní. No final di mês de novembro uma comissão da assembléia Legislativa visitou propriedades rurais em Nova Alvorada do Sul que estão sofrendo com os ataques das moscas.

Depois de encontros com representantes dos usineiros, os proprietários rurais decidiram procurar o sindicato que os representa em Nova Alvorada do Sul e ingressaram com uma ação contra uma usina pela “obrigação de fazer”. Isso significa que não estão pedindo indenizações, mas que a unidade sucroalcooleira tome alguma providência para acabar com as moscas.