Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 16 de Maio de 2021

Sidrolandia

Governo cancela contrapartida e compromete ampliação do hospital

No documento, a Secretaria Estadual de Saúde invoca a crise financeira, para justificar o cancelamento da contrapartida.

Flávio Paes/Região News

10 de Fevereiro de 2017 - 09:08

A reforma e ampliação do Hospital Elmiria Silvério Barbosa está ameaçada porque o Governo do Estado comunicou nesta quinta-feira em ofício a suspensão do repasse de R$ 272.030,20 que havia se comprometido a liberar para a instituição complementar o recurso federal obtido junto ao Ministério da Saúde para obras de reforma e a ampliação.

No documento, a Secretaria Estadual de Saúde invoca a crise financeira, para justificar o cancelamento da contrapartida, o que praticamente inviabiliza o início da obra e se a situação não for resolvida até agosto, há risco de perda do recurso de R$ 1.119.080,20, alocado junto ao Ministério. Os recursos estão liberados desde agosto do ano passado, quando foi disponibilizada na conta do hospital uma parcela de R$ 100 mil.

A obra chegou a ter a pedra fundamental lançada no último dia 8 de dezembro. O evento contou com a presença do deputado federal Geraldo Resende, autor da emenda parlamentar que viabilizou o empenho de R$ 1.119.080,20 junto ao Ministério da Saúde. A empreiteira ainda não havia cumprido a ordem de serviço por uma razão prosaica: esperava que o hospital removesse a caixa d’água existente no meio do terreno onde está planejada a construção de um anexo de 538,34 metros quadrados.

Foto: Reginaldo Mello/Região News

Governo cancela contrapartida e compromete ampliação do hospital

Caixa d’água existente no terreno onde será feita a construção do anexo.

A reforma

O projeto de ampliação do hospital prevê a construção de um anexo de 538,34 metros quadrados. Quando esta ampliação estiver pronta, a área construída do hospital vai aumentar 38,45%, se aproximando dos 2 mil metros quadrados. Hoje tem 1.400 metros (330 do centro de parto normal em funcionamento desde março) com 50 leitos, sendo que só 32 estão cadastrados no Ministério da Saúde.

Está prevista a reforma a recepção do pronto socorro; construído um novo centro cirúrgico e o espaço do atual, vai abrigar o ambulatório para as consultas dos pacientes com planos de saúde. Onde hoje funciona o ambulatório será adaptado para abertura de novos leitos.