Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 21 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Indigenas reclamam de pouco incentivo à produção

O cacique apresentou uma lista da própria Agraer, onde está anotada a quantidade de óleo diesel destinada a cada uma das famílias.

Dourados Agora

01 de Junho de 2011 - 09:11

O cacique da tribo guarani, Renato de Souza, contestou na sexta-feira as declarações do governador André Puccinelli (PMDB) – que, em visita a Dourados, listou diversos serviços e investimentos destinados à população indígena.

À reportagem Renato de Souza disse que a quantidade de óleo diesel fornecida pelo governo do Estado através da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) não é suficiente para atender à necessidade das famílias. O cacique apresentou uma lista da própria Agraer, onde está anotada a quantidade de óleo diesel destinada a cada uma das famílias.

Algumas delas, segundo consta no documento, chegam a receber apenas 10 litros do insumo por safra – segundo o cacique, o ideal seriam, no mínimo, 50 litros.

O repasse de óleo diesel às famílias indígenas de Dourados faz parte do programa Aldeia Produtiva, da Agraer, que tem como objetivo fornecer insumos para garantir a produção de subsistência das famílias. O óleo diesel fornecido pelo Estado é utilizado para abastecer os tratores que irão preparar a terra para a produção de alimentos como feijão, mandioca, milho e cana-de-açúcar.

O problema, segundo Renato de Souza, é que a quantidade fornecida tem sido muito inferior à necessidade das famíli-as. Segundo o documento apresentado à reportagem, o valor destinado às famílias varia entre 10 e 60 litros. “Tem família que recebe 40 litros de óleo diesel para preparar 2 hectares de terra.

Não é suficiente, é pouco”, afirmou. Segundo o caci-que, as famílias menos humildes compram mais insumos, porém os mais pobres acabam perdendo parte da produção. “Quem não tem dinheiro para comprar vê a terra virar mato”, diz ele.

Renato também reclamou das recentes declarações do governador, que criticou a situação das propriedades rurais no distrito de Panambi. “Querem que o índio produza, mas o governo não dá condições para a gente trabalhar”, reclamou. “O índio produz ‘na marra’ porque não tem acesso a financiamento nenhum. É na sorte mesmo”, reclamou.

O cacique aproveitou para reclamar também da falta de maquinário para a produção. Segundo ele, as famílias nas aldeias Jaguapiru e Bororó são dividas por grupos – e, segundo ele, somente dois destes grupos teriam tratores disponíveis para a preparação das terras. Ele cobrou a destinação de diversos tratores, que estariam em poder da Prefetura de Doura-dos. “Queremos saber da Prefeitura quando vão poder mandar estas máquinas. Às vezes, pode chegar fora de época e daí não adianta mais”, reclamou.

Outro lado

Procurada pela reportagem, a sub-secretaria de Comunicação do Governo do Estado informou que a quantidade de óleo diesel disponibilizada aos índios foi calculada em pesquisa de acordo com a necessidade de cada área. Um assessor informou que a oferta é suficiente para a demanda e que deve ser utilizada de forma racional. “Se está faltando, é porque há mau uso”, disse o assessor.

Já a assessoria de imprensa da Prefeitura de Dourados informou que a disponibilização de tratores também é responsa-bilidade do Estado, já que os equipamentos estavam sob poder da Prefeitura por meio de convênio.

O diretor de Comuni-cação, Helio de Freitas, disse que o prefeito Murilo Zauith (DEM) já mandou suspender este convênio e que os equipa-mentos já estão à disposição da Agraer. “O prefeito está dialogando diretamente com a comunidade em busca de projetos para incentivar a produção”, afirmou.