Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 22 de Maio de 2024

Sidrolandia

Já no Mundial, Inter quer vencer Libertadores por Roth e torcida, diz Tinga

Tinga já acumula três expulsões em jogos decisivos com a camisa do Internacional

Uol Esporte

06 de Agosto de 2010 - 08:33

Aos poucos os jogadores do Inter vão se citando dentro da realidade do time: finalista da Copa Libertadores, mas com presença garantida no Mundial de Clubes, que acontecerá em dezembro. Mesmo com o “prêmio” dado pelo Chivas, o Internacional foca em buscar o bicampeonato da América. Além dos motivos básicos, a biografia do técnico Celso Roth também motiva os atletas.

“O Celso é merecedor disso e por onde passou pode ter faltado o algo mais. Ele tem passado que a gente pode. Queremos vencer pelo torcedor e pelo Celso, que a gente vê que merece um grande título”, disse o meia Tinga, em entrevista à Rádio Gaúcha.

Apesar de ter a certeza do embarque para os Emirados Árabes em dezembro, Tinga não abre mão da taça da Libertadores. “Agora é ir para a final e tentar o mais importante que é o título, lógico que a presença no Mundial é garantida. Mas o reconhecimento é só para o vencedor”, opinou o meia.

O bom momento da equipe não furtou o jogador dos comentários sobre a rivalidade com o Grêmio, que pode ser ultrapassado em número de conquistas. “É uma coisa inédita, queremos buscar uma coisa inédita. Ganhar duas vezes o Mundial. Não é fácil, mas o grupo está se dedicando”, destacou.

Rotina de expulsões

O jogo no Morumbi foi eletrizante e seguiu indefinido até o último minuto. Tudo como o Inter imaginava que podia ser. “Sabíamos que não ia ser fácil, não iríamos fazer dois, três a zero aqui no Morumbi”, disse Tinga.

Tinga acrescenta muita qualidade aos times por onde passa, mas justamente no seu clube do coração o meia vive uma situação complicada em decisões. Tanto em Campeonato Brasileiro como em Libertadores, o meia foi expulso em partidas chave.

“Incrível, é a terceira vez que acontece comigo. Todas as vezes que aconteceu, contra o Corinthians em 2005, com o São Paulo em 2006 eu fiquei no vestiário rezando e a gente não tomou gol”, revelou Tinga. “Espero que possa terminar sempre com final feliz”, acrescentou.