Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 19 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Juiz manda soltar federal que matou policial militar

O crime aconteceu no último domingo na casa do acusado

Dourados Agora

13 de Maio de 2011 - 16:22

O juiz Adriano da Rosa Bastos, concedeu na tarde desta sexta-feira a liberdade provisória ao agente federal Leonardo Lima Pacheco, acusado de matar o policial militar Sandro Alvares Morel e deixar ferido o também pm José Ferreira Souza. O crime aconteceu no último domingo na casa do acusado.

De acordo com os autos do processo, Leonardo alegou ter agido em legítima defesa. Diz que temendo ser vítima de uma agressão atual e injusta acabou disparando contra o policial militar, ceifando-lhe a vida.

O juiz indeferiu o pedido de relaxamento de prisão mas concedeu a liberdade provisória. O juiz analisou documentos e concluiu que o acusado "é primário, sem antecedentes criminais, ou seja, em tese o fato isolado na sua vida, razão pela qual indica-se que não há uma personalidade voltada para a prática de delitos e que possui uma conduta social ajustada, não havendo indicativo de que a liberdade trará prejuízo a ordem pública. (...) Não há fundamento concreto que indique que sua liberdade trará prejuízo a instrução criminal, mesmo porque, pelosdocumentos trazidos com o requerimento ora analisado, verifica-se tratar de bom profissional e com personalidade que não leva a crer que prejudicará de alguma forma a produção de provas", alegou.

De acordo com o delegado que conduz as investigações, Humberto Perez Lima, o policial federal deverá prestar depoimento oficial na próxima segunda-feira.

Conforme noticiado, a GM acionou a Polícia Militar para o que se imaginava ser um flagrante, já que em conversa no MSN com a guarda, Pacheco se apresentou com um condinome, fazendo passar por um traficante. Ambos desconheciam a identidade um do outro.

A história terminou com um PM morto e dois feridos. O policial militar Sandro Alvarez Morel, de 36 anos, foi baleado e morreu no local, durante confronto com O PF, que ao abrir a porta se deparou com a GM e Morel.

Na sequência, na frente do edifício localizado no Jardim Flórida I, outro tiroteiro, desta vez entre Pacheco e outro PM que dava cobertura, José Ferreira Souza. Ele e Pacheco ficaram feridos mas estão fora de perigo.

A defesa de Leonardo é representada pelo advogado Fernando Azuma. Ao Douradosagora ele disse que com o alvará de soltura em mãos, que deverá sair nas próximas horas, deverá se deslocar até a prisão da PF para libertar o seu cliente.