Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 20 de Julho de 2024

Sidrolandia

Moka vai lutar por Ceinf para trabalhadoras

Moka disse que é uma das metas como senador o aumento dos investimentos na educação infantil

MV Com

03 de Agosto de 2010 - 14:00

Moka vai lutar por Ceinf para trabalhadoras
Moka vai lutar por Ceinf para trabalhadoras - Foto: Toninho Souza

Em visita a fábrica de lingerie Universo Íntimo nesta terça-feira (03), o candidato a senador, deputado federal  Waldemir Moka (PMDB) assumiu compromisso de lutar por recursos para a construção de mais um Centro de Educação Infantil (CEINF) nas proximidades da empresa, que fica no Pólo Empresarial do Indubrasil. “É importante que as mães trabalhadoras tenham a segurança de saber que seus filhos estão sendo bem tratados e estão perto”, disse Moka enquanto conversava com as funcionárias. 

Moka disse que é uma das metas como senador o aumento dos investimentos na educação infantil, uma vez que é nessa fase que as crianças aprendem com mais rapidez e desenvolvem o prazer por aprender. "A escola aguça a curiosidade da criança".
 
A indústria de lingeries está instalada em Campo Grande há seis anos, e atualmente emprega cerca de mil e quinhentos funcionários, sendo que 90% são mulheres. Produz atualmente doze mil peças por dia, mas a intenção para o ano que vem é dobrar a capacidade, já que no local são produzidas roupas íntimas e pijamas que abastecem todo o país. Apesar da tradição no agronegócio, Mato Grosso do Sul tem crescido e se destacado no segmento têxtil. Além da capital, a região do cone sul  também é outro grande pólo de moda no Estado.
 
Moka visitou as instalações da fábrica e ficou impressionado com a linha de produção. Outra proposta de Moka para o Senado é investir em cursos profissionalizantes para o ensino médio, e a costureira Rita de Cássia Lopes ilustra bem essa necessidade. Rita trabalhava como doméstica, fez curso de costureira, e há um ano e meio é funcionária da fábrica. “Descobri uma profissão, e hoje estou muito feliz. Tenho certeza que se por acaso um dia sair daqui, não ficarei desempregada”.