Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 19 de Abril de 2021

Sidrolandia

Polícia deflagra operação após MPE investigar irregularidades no pagamento de diárias

Conforme o MPE, levantamento realizado de janeiro a setembro apontou que o Legislativo de Ribas do Rio Pardo teria consumido cerca de R$ 523,4 mil de recursos públicos

Correio do Estado

04 de Novembro de 2014 - 07:49

O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) e a Promotoria de Justiça de Ribas do Rio Pardo (MS) deflagraram na manhã desta terça-feira (4) a “Operação Viajantes” para o cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão, sendo 13 no município e um em Campo Grande. A ação é resultado de investigação conduzida pela Promotoria de Justiça de Ribas do Rio Pardo, que apurou irregularidades no pagamento de diárias a vereadores e servidores da Câmara Municipal. Segundo a investigação, os agentes políticos teriam forjado viagens e participações em eventos e reuniões fora da cidade para receberem indevidamente valores relativos à diárias. 

No último mês, acolhendo pedido liminar do Ministério Público, o Poder Judiciário já havia determinado que o presidente da Câmara Municipal suspendesse o pagamento de diárias a vereadores e servidores, devido aos indícios de irregularidade. Conforme o MPE, levantamento realizado de janeiro a setembro de 2014 apontou que o Legislativo de Ribas do Rio Pardo teria consumido cerca de R$ 523,4 mil de recursos públicos com o pagamento de diárias, que chegariam ao valor de R$ 750 para cada dia de deslocamento dentro do Estado, e R$ 1,5 mil para cada dia de viagem fora do Estado.

Ainda de acordo com a investigação, verificou-se também a existência de gastos excessivos realizados pela Câmara com empresas terceirizadas de publicidade, informática, assessorias contábeis e jurídicas, cujos valores ultrapassam mais de R$ 3,5 milhões. A operação conta com a participação de 20 policiais militares do Gaeco, além de dois promotores de Justiça, que realizam buscas em gabinetes e residências de vereadores e servidores, além da sede de uma empresa em Campo Grande.