Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 25 de Maio de 2024

Sidrolandia

Polícia quer prontuário de hospital que liberou menina com agulhas

Ela foi internada em unidade três meses antes e teve alta sem fazer raio X. Delegado quer ouvir ainda mãe e irmãos de criança, além de vizinhos.

G1

04 de Agosto de 2010 - 15:55

O pai da criança que teve retiradas duas agulhas e um prego da barriga, quando estava internada no Hospital de Saracuruna, na Baixada Fluminense, afirmou em depoimento na delegacia, que o problema com a filha poderia ter sido descoberto pelo menos três meses antes. De acordo com eles, a menina esteve em um hospital no Centro de Caxias.

De acordo com os pais, ela foi mandada de volta para casa sem tirar uma radiografia. O delegado que investiga o caso, da 61ª DP (Xerém), Alexandre Ziehe, afirmou que vai checar o prontuário de atendimento da menina no hospital. E também quer ouvir a mãe e os irmãos da criança, além de vizinhos da família.

O pai da menina esteve na tarde de terça-feira (3) na delegacia. De acordo com Ziehe, ele estava muito emocionado e falou por três horas.

Os três objetos metálicos encontrados dentro da barriga da criança vão ser periciados. A análise pode confirmar se são mesmo duas agulhas e um prego sem cabeça. Este detalhe pode ajudar a desvendar o caso.

A polícia suspeita que os objetos pontiagudos foram introduzidos na pele – por causa do local em que eles foram encontrados. Eles estavam entre o abdômen e a parede do intestino da criança.

Segundo os médicos que atenderam a criança no Hospital de Saracuruna, se ela tivesse ingerido os objetos, eles estariam dentro de algum órgão.

A polícia também investiga a possibilidade de a criança ter sido vítima de um ritual de magia negra.