Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 28 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Prefeito nega reajuste, mas mantém negociação para atender só concursados

O prefeito em princípio descartou a possibilidade de conceder qualquer que seja o reajuste diante das dificuldades financeiras enfrentadas pela Prefeitura

Flávio Paes/Região News

06 de Agosto de 2013 - 16:40

Foto: Paula Lucia/Região News

Prefeito nega reajuste, mas mantém negociação para atender só concursados

A comissão de servidores que foi cobrar reajuste salarial de pelo menos 7,24% (inflação e mais 1 ponto percentual) retroativo a maio, saiu da reunião nesta terça-feira à tarde com o prefeito Ari Basso, convencida que dificilmente a reivindicação da categoria será atendida na sua plenitude.

Está definido apenas o pagamento das horas-extras que os funcionários da Secretaria de Infraestrutura fizeram nos últimos três meses e que deixaram de ser pagas, segundo a Secretaria de Administração, porque a Infraestrutura não teria enviado os relatórios  com o mapeamento das extras. Na segunda-feira os funcionários prejudicados protestaram ameaçando não sair para o trabalho na zona rural.

O prefeito em princípio descartou a possibilidade de conceder neste ano reajuste, qualquer que seja o índice, diante das dificuldades financeiras enfrentadas pela Prefeitura. Ari Basso anunciou que ainda neste mês de agosto lança o edital e em setembro acontecerá o concurso público. Os aprovados serão nomeados de imediato, substituindo o pessoal contratado.

Diante da informação de que o plano de cargos e carreiras dos funcionários determina o reajuste anual em maio, data-base da categoria, o prefeito concordou em receber na sexta-feira dirigentes do Sindicato dos Funcionários para uma nova rodada de conversação.  Ari Basso quer avaliar com os advogados da Prefeitura se é viável juridicamente conceder reajuste apenas para os concursados, deixando de fora os contratados e comissionados.

O prefeito confirmou o prosseguimento do corte de gastos iniciado em julho, quando foram demitidos 160 servidores e reduzidas gratificações de comissionados e efetivos com funções de chefia.