Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 19 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Reajuste de 21,6%, salário do professor de Sidrolândia é o 29º no ranking

Marcos Tomé/Região News

12 de Abril de 2011 - 08:32

Embora a aplicação do plano de cargos, carreiras e salários do magistério municipal, em vigor desde 1º de janeiro,  tenha resultado em reajustes de até 21,6% no salário-base (dependendo do nível e da categoria em que  estiver enquadrado o servidor),  o professor da rede municipal de ensino de Sidrolândia  só tem a 29ª maior remuneração num ranking que inclui os 78 municípios sul-mato-grossenses além do magistério da rede estadual de ensino.

Se for considerado apenas o salário-base, sem  a gratificação da regência de classe (que no caso sidrolandense é de 15%), a mudança de enquadramento a cada três anos por tempo de serviço, além dos abonos pagos trimestralmente com as sobras de caixa do Fundeb,  esta posição  despenca para a  48ª.

Neste ranking, a primeira posição é a de Naviraí, onde professores ganham R$  1.771,32 de salário-base  por 40 horas semanais.   Em Sidrolândia mais de 90% dos professores são enquadrados nos níveis 2  (com curso de licenciatura plena) e  3  (aqueles com faculdade e pós-graduação). Entre  os 115  com  licenciatura, os vencimentos variam de  R$ 936,00 de salário-base (antes até dezembro era R$ 733,34) de 11 professores com até três anos de serviço, a R$ 1.263,60, pago a dois servidores da classe H, reservada aos que tem entre 12 e 15 anos de serviço. Já os 104 do nível 4,  recebem desde janeiro (sem os adicionais) em média R$ 1.184,62 por 44 horas.

A Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação) divulgou nesta segunda-feira um ranking salarial em que Sidrolândia aparece em 15º lugar, o que representaria um salto de 15 posições em relação a 2010.

Esta classificação é irreal porque tomou como referência um salário-base de R$ 1.308,13, destinado a professores de nível V, enquadramento exclusivo aos com doutorado em educação que esteja na classe  D, reservada aos  que  tenham entre 9 e 12 anos de carreira no magistério municipal.  

Segundo levantamento da  Secretaria Municipal de Educação nenhum dos 219 professores  concursados  tem doutorado, alguns ainda estão fazendo mestrado (que assegura enquadramento no nível quatro), que é o nível de graduação anterior ao doutorado.

No  nível dois, há 11 professores com salário-base de R$ 873,60(os da classe A  com até três anos de serviço) ; 45 tem vencimento- base de R$ 982,80 (classe B, em que são enquadrados os que tem de 3 a 6 anos de exercício do magistério); 33 da classe C (restrita aos seis a 9 nove anos de magistério), recebem R$  1.158,30; 10 são da classe D (com 9 a 12 anos no magistério municipal) ganham R$ 1.210,95; nove, recebem R$  1.123,20 com tempo de serviço variável entre 12 e 15 anos; 12, R$ 1.170,00 da classe F e cinco, da classe G (reservada a quem tem entre 18 e 21 anos de experiência), recebem R$1.368,90 de vencimento-base.

Já entre os 104 professores, com licenciatura e pós-graduação, os de nível  3, há três na classe A recebendo R$ 1.140,75; 38 na classe B, ganhando R$ 1.197,94; 17 com R$ 1.253,48 de salário base;  seis ganham R$ 1.311,69; 11 recebem R$ 1.368,90; 13 percebem R$ 1.425,94; cinco, são professores com até 21 anos de serviço, próximos da aposentadoria,  que recebem R$ 1.482.97. Com entre 21 e 24 anos de serviço,  cinco recebem salário-base de R$ 1.540,19. Há ainda 17 professores normalistas, que ganham entre R$ 682,500 e R$ 845,00.

Se for considerada a gratificação  da regência de classe a remuneração do professor de nível 2  é de R$ 1.076,40 por 44 horas aula, enquanto os de nível três, com pós-graduação, recebem em média R$ 1.362,31. A regência de classe paga em  Sidrolândia – 15% -  só é maior que a de Terenos,  Rochedo, Japorã, Laguna Carapã, onde as prefeituras  pagam10%.

Ivinhema paga 5% de gratificação.  Não pagam regência Naviraí, Figueirão, Juti,Agua Clara, Novo Horizonte do Sul, Caarapó, Costa Rica, Ponta Porã, Rio Verde, Itaporã, Camapuã e Nova Alvorada do Sul. Angélica e Eldorado pagam 50%, as maiores gratificações. Campo Grande paga 45% e a rede estadual, 40%. 

Computando-se os 15% de regência o salário variável na rede municipal entre R$ 1.076,40, para 11 professores com licenciatura e até três anos de serviço e  R$ 1.770,08 pago a 11professores com pós-graduação, que estão na classe H, com entre 21 e 24 anos de magistério. Lembrando que os professores se aposentam com 25 anos, quando atingirão a classe a I, recebendo R$ 1.506,96, os com licenciatura e R$ 1.836.60, aqueles com pós-graduação.