Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 23 de Junho de 2024

Sidrolandia

Revisor muda voto na véspera, segue relator e condena ex-diretor do BB

Pizzolato era diretor de marketing do Banco do Brasil na época do suposto esquema, além de sindicalista e petista desde a década de 80

Uol

22 de Agosto de 2012 - 16:54

O ministro Ricardo Lewandowski, revisor do processo do mensalão, endossou o voto do relator Joaquim Barbosa e votou pela condenação do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato por corrupção passiva e por dois peculatos (uso de cargo público para desvio de recursos), em sessão no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (22).

Pizzolato era diretor de marketing do Banco do Brasil na época do suposto esquema, além de sindicalista e petista desde a década de 80. Ele é acusado de ter recebido R$ 326,6 mil a título de propina de Marcos Valério, apontado como o operador do mensalão. Ele também é acusado de ter antecipado pagamentos a uma das agências do empresário. Além de peculato e corrupção, Pizzolato é acusado ainda de lavagem de dinheiro.

Lewandowski, que mais cedo já havia votado pela condenação de Pizzolato por corrupção passiva e por peculato, decidiu votar pela condenação do réu por um segundo peculato. Segundo o ministro, até ontem à noite ele não iria condená-lo pela segunda acusação, mas mudou de opinião ao reexaminar os autos após o voto do revisor.

"Vou dar uma guinada de 180º e votar pela condenação", disse. "Estava convencido até ontem à noite. Veja como é importante examinar as provas", afirmou,

Segundo a acusação, o segundo peculato se deu no pagamento do “bônus de volume”, uma comissão paga pelos veículos de comunicação às agências de acordo com o volume de anúncios feito na mídia. A acusação diz que Pizzolato foi omisso ao não cobrar da DNA Propaganda, do publicitário de Marcos Valério, a quantia de R$ 2,9 milhões, paga a título de bônus de volume por um veículo de comunicação à agência.