Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 20 de Junho de 2024

Sidrolandia

Saúde alerta para 50 mil novos casos de câncer de mama

Apesar da crença de que o diagnóstico feito mais cedo facilita o tratamento e o torna mais eficaz

Inca, Pfizer, American Society of Clinical Oncology

28 de Julho de 2010 - 17:02

Saúde alerta para 50 mil novos casos de câncer de mama
C - Divulga

No Brasil, o câncer de mama é a principal causa de morte da doença entre as mulheres. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), são esperados 49.400 novos casos em 2010, com risco estimado de 49 casos a cada 100 mil mulheres.

Já no mundo todo, os índices de câncer de mama duplicaram nos últimos 30 anos, o que reitera a importância da prevenção pelo auto-exame e pela mamografia. É claro que cada método de diagnóstico por imagem das mamas apresenta suas limitações, mas é inegável que a detecção precoce do câncer de mama pode salvar muitas vidas e que a mamografia ainda é o método de escolha, estando cada vez mais acessível à população.

Apesar da crença de que o diagnóstico feito mais cedo facilita o tratamento e o torna mais eficaz, ocorrências de erros de diagnóstico em casos de carcinoma ductal in situ (CDIS) levanta a polêmica sobre a real necessidade de triagem precoce do câncer de mama. Com os avanços tecnológicos e exames cada vez mais sofisticados, os patologistas precisam produzir laudos sobre lesões cada vez menores, algumas do tamanho de um grão de areia, e que muitas vezes podem ser benignas ou tumores malignos em fase inicial.

Em 2009, em uma revisão de estudos realizada por um grupo independente de especialistas dos Estados Unidos recomendou que as mulheres só façam mamografias a partir dos 50 anos e não mais a partir dos 40 anos. O Inca segue a mesma regra, e recomenda o exame clínico e a mamografia para mulheres a partir dos 35 anos que apresentem risco alto de desenvolver a doença. É o caso de mulher cuja mãe tenha desenvolvido a doença. Trata-se de pessoas identificadas como de “alto risco” e que devem ficar em alerta.

AUTO-EXAME

Antes do banho, posicionese em frente ao espelho. Observe os dois seios, primeiro com os braços caídos, depois com as mãos na cintura fazendo força nas mãos e, por fim, com elas atrás da cabeça, observe tamanho, posição, forma da pele, aréola e mamilo. Faça o mesmo controle com os braços levantados e mantidos atrás da cabeça. Qualquer alteração na superfície (depressão ou saliência) ou rugosidade é importante. Pressione o mamilo suavemente e veja se dá saída a qualquer líquido. Se o mamilo está umbilicado (metido para dentro como o umbigo) e não era assim, essa é uma alteração importante também.

PALPAÇÃO DE PÉ

Durante o banho, com as mamas ensaboadas, deslize as mãos sobre as mamas. Com os dedos unidos, use a mão direita para apalpar a mama esquerda e a mão esquerda para a direita. Procure caroços, alterações de consistência, secreções, ou saliências.

Divida o seio em faixas verticais e horizontais e com os dedos estendidos e em pequenos movimentos circulares, faça a palpação de cada faixa, de cima para baixo. Palpe também a axila e o pescoço. Não se esqueça, todo o seio deve ser palpado, mas dê particular atenção ao quadrante superiorexterno. Repita as mesmas manobras para a mama direita.

PALPAÇÃO DEITADA

Deitada, coloque uma toalha dobrada sob o ombro direito para examinar a mama direita. Inverta o procedimento para examinar o outro lado. Apalpe toda a mama através de suave pressão sobre a pele com movimentos circulares. Apalpe a metade externa da mama que, em geral, é mais consistente. Apalpe, agora, as axilas. Lembre-se que o autoexame da mama deve ser realizado regularmente. Caso note alguma alteração antes da menstruação, não se precipite e volte a repetir o exame depois da menstruação. Se a alteração persistir procure o seu Médico. Se o autoexame é normal, o exame Médico deve ser anual.