Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Tarifaço obriga padarias elevar preço do pãozinho

Por conta disto, a partir de Maio, o quilo do pãozinho que saia a R$ 6,8 numa padaria na região central de Dourados, vai sofrer reajuste de 5% a 7%

Dourados Agora

13 de Abril de 2011 - 15:42

O preço do quilo do pãozinho francês vai aumentar a partir de 1º de Maio, Dia do Trabalhador, que pelo jeito não tem nada a comemorar. Segundo o empresário do ramo de panificação, José Roberto Ribeiro Pinto, além da alta da farinha de trigo, material básico à produção do pão e afins, o tarifaço de energia em Mato Grosso do Sul é determinante ao reajuste.

Ele disse ao Douradosagora que os panificadores vinham segurando o preço há três meses, após o aumento do custo da saca de 50 quilos da farinha, que passou de R$ 62 para R$ 70. No entanto, a cobrança abusiva na conta de energia no estado de Mato Grosso do Sul inviabiliza a produção, obrigando o setor a repassar o custo ao consumidor final.

Por conta disto, a partir de Maio, o quilo do pãozinho que saia a R$ 6,8 numa padaria na região central de Dourados, vai sofrer reajuste de 5% a 7%, e poderá custar em torno de R$ 7,14, calcula José Roberto.

O empresário, que atua há mais de 25 anos no setor, observa que os comerciantes estão 'de mãos atadas' face ao monopólio da energia que não dá opção de escolher outra concessionária, como é o caso da telefonia. "Acho que o governo não deveria privatizar um bem como a energia. Eles fazem o que querem, metem goela abaixo o reajuste e você não tem para quem reclamar. Ficaram de devolver valores referentes a cobranças abusivos na conta de energia, que ocorreram de 2002 para cá, mas até agora nada. Creditam na conta, mas não aparece o desconto, que somatório é este?", reclama.

O tarifaço justificado pelo alto custo de transporte da energia é inexplicável, observa José Roberto. Ele lembra que o Mato Grosso do Sul fica vizinho de pelo menos quatro usinas: Jupiá, Primavera, Rio Pardo, Urubupungá, fora Itaipu, no Paraná, vizinho ao estado, o que possivelmente viabilizaria um custo menor de energia na conta do consumidor sul-mato-grossense.

REAJUSTE

O tarifaço autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), aplicado pela Enersul, em vigor desde o dia 8, é de 18,57% para consumidores de baixa renda - residências e pequenos comerciantes.