Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 15 de Abril de 2024

Sidrolandia

Trabalhadores rejeitam proposta e prometem manifesto

A decisão foi tomada durante uma assembleia geral realizada na tarde deste sábado no salão São José

Nova News

20 de Junho de 2011 - 15:11

Os funcionários do comércio de Nova Andradina se manifestaram contrários à medida que visa aumentar a carga horária da categoria. Pela proposta, as empresas funcionariam no segundo sábado de cada mês até às 17h.

A decisão foi tomada durante uma assembleia geral realizada na tarde deste sábado no salão São José. O presidente do sindicato dos Comerciários, Nilson de Souza, conduziu o encontro e destacou pontos da lei municipal que regulamenta a abertura de emprestas aos finais de semana.

Segundo ele, Nova Andradina ainda não possui estrutura para que o comércio funcione de acordo com a proposta. Outro questionamento levantado pelo sindicalista foi em relação às creches municipais, que não funcionariam no mesmo período. “As mães vão ficar desamparadas”, disse.

Medida partiu de empresários 

Por meio de nota à imprensa, a Acina (Associação Comercial e Empresarial de Nova Andradina) afirmou que a medida foi uma solicitação de empresários que se sentiram prejudicados por uma queda nas vendas em 2011.

“Foi então solicitado por vários empresários que se fizesse a tentativa de se abrir o comércio no segundo sábado de cada mês somente, e não todos os sábados como alguns vem divulgando. Será o sábado próximo ao pagamento, e essa tentativa se estenderia por aproximadamente seis meses, após esse período, faremos uma nova reunião para discutir o resultado e se manteremos essa decisão”, explica.

Decisão não é obrigatória

A Associação destaca ainda que a proposta rejeitada pelos trabalhadores não é obrigatória. “É claro que para muitos setores essa decisão não será viável ou se concretizará, portanto, por este motivo, abre quem quiser. Não é uma decisão obrigatória, mas sim opinativa”, esclarece.

“É importante também que todos saibam que a decisão de abrir partirá de cada empresário em particular e que todo esse movimento não é de iniciativa da pessoa física de Arion Aislan, presidente da Acina, como vem sendo comentado em alguns ‘boatos’, mas sim uma decisão de toda uma categoria que o mesmo representa”, diz trecho da nota.

Manifestação

Ao final da assembleia, os trabalhadores decidiram organizar uma manifestação em repúdio à proposta. O manifesto acontecerá nesta segunda-feira, durante a sessão da Câmara de Vereadores.