Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 19 de Junho de 2024

Sidrolandia

TRE diz: Greve da Justiça Eleitoral ainda não afetou registro de candidaturas em MS

De acordo com a assessoria de comunicação do órgão, os cartórios eleitorais de Campo Grande estão funcionando normalmente

Midiamax

03 de Julho de 2012 - 17:00

O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) informou que a greve dos servidores da Justiça Eleitoral de Mato Grosso do Sul que começou nesta segunda-feira (02) e vai até o dia 5, quinta-feira, prazo final para o registro das candidaturas, não afetou até o momento o processo.

De acordo com a assessoria de comunicação do órgão, os cartórios eleitorais de Campo Grande estão funcionando normalmente. O Sindjufe/MS (Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federais de Mato Grosso do Sul) disse que dos cinquenta e quatro cartórios eleitorais do interior do Estado, vinte estão paralisados.

São as zonas eleitorais de Fátima do Sul (4ª), Corumbá (7ª), Três Lagoas (9ª), Aquidauana (10ª), Rio Brilhante (11ª), Coxim (12ª), Miranda (15ª), Dourados (18ª), Ponta Porã (19ª), Jardim (22ª), Aparecida do Taboado (24ª), Ivinhema (27ª), Bonito (30ª), Rio Negro (37ª), Deodápolis (39ª), Dourados (43ª), Nioaque (45ª), Anaurilândia (47ª), Corumbá (50ª) e Três Lagoas (51ª).

Em nota, os servidores afirmam que a parada neste período de registros foi votada em assembleia pelos servidores do Judiciário Federal e do Ministério Público da União no último dia 22.

“O objetivo é impedir o registro de candidaturas para forçar o governo federal a fazer o acordo na negociação, pois a categoria está há 6 anos com os salários congelados”.

Segundo eles, desde 2006, quando foi aprovado o nosso último PCS já com uma tabela salarial defasada, os servidores do Judiciário Federal e do MPU encontram-se sem reposição da inflação e sem qualquer tipo de aumento, e estão sofrendo as consequências de um congelamento salarial que já dura seis anos, sendo que seus vencimentos já acumulam perdas inflacionárias que chegam a quase 40% (quarenta por cento), de acordo com o ICV (Índice do Custo de Vida) do Dieese.