Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 25 de Fevereiro de 2024

Sidrolandia

Vereador acusa Sanesul e prefeitura de servir água imprópria no interior

A acusação foi feita na sessão da Câmara da terça-feira (31) e gerou polêmica entre os parlamentares.

Midiamax

02 de Junho de 2011 - 09:00

O vereador Jorge Martinho (PMDB) acusou a Prefeitura e a Sanesul pelo fornecimento de água não potável para as 1.500 crianças que freqüentam o Centro de Referência de Assistência Social e Educacional (Crase), Coração de Mãe, em Três Lagoas.

A acusação foi feita na sessão da Câmara da terça-feira (31) e gerou polêmica entre os parlamentares.

Segundo o vereador, a Prefeitura é conivente com a situação de irregularidade, pois durante o período em que ele esteve à frente da Secretaria Municipal de Saúde, foi constatado e informado à Administração Municipal sobre o fato da água disponível no local para os alunos ser imprópria para consumo humano.

“Infelizmente, apesar do “Pacotão de Obras da Prefeitura” ter sido lançado naquele local, não houve menção sobre providências para qualificar a água para o consumo. É a saúde de 1.500 crianças que está em perigo”, denunciou Martinho.

O líder na Câmara da Prefeita Márcia Moura (PMDB), vereador Tonhão (PPS), rebateu alegando que o Crase tem poço artesiano. “A água que as crianças bebem lá vêm do poço artesiano. Nada tem a ver com a água do poço do Palmito, cujo Vossa Senhoria sempre acusa como impotável”, disse Tonhão.

Porém, segundo Jorge Martinho, o Laboratório Municipal de Saúde classificou qualquer água de poço artesiano em Três Lagoas como impotável.

“Pela profundidade do lençol que passa pelo Município, a água extraída dos poços artesianos nesta cidade é impotável. Até no poço do Palmito, que tem mais de 100 metros de profundidade, a água é imprópria para o consumo. Portanto, a Sanesul, que distribui a água do Palmito, e a Prefeitura podem ser responsabilizadas”, afirma.

O vereador disse ainda que o caso está sob a investigação do Ministério Público do Estado (MPE). “Eu protocolizei a denúncia junto ao MPE, aos cuidados do promotor José Luiz Rodrigues. Ele se comprometeu em averiguar e tomar as providências cabíveis”, finalizou.