Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Waldemar Acosta intercede por melhorias no IML e aponta problemas

O IML desde sua fundação nunca recebeu investimentos por parte do Governo do Estado para custeio de reparos e reformas

Marcos Tomé/Região News

29 de Março de 2011 - 14:26

Waldemar Acosta intercede por melhorias no IML e aponta problemas
Waldemar Acosta intercede por melhorias no IML e aponta problemas - Foto: Marcos Tom

O Instituto Médico Legal [IML] de Sidrolândia completou em dezembro do ano passado, 12 anos de atividades. Construído com recursos do Fundo de Reequipamento da Secretaria de Segurança Pública [FUNRESP] e contrapartida do município através de convênio celebrado com a Prefeitura, o Instituto passou a funcionar em dezembro de 1998.

Desde então, inúmeros atendimentos [exames] passaram a ser oferecida a população sidrolandense, que antes, teriam que se deslocar até Campo Grande [Capital] para terem acesso aos serviços. Embora poucos saibam o IML não cuida só de mortos, pelo contrário, a maioria dos exames é feito em pessoas vivas.

O IML não é uma instituição responsável apenas pelas autópsias, como muitos pensam. Há uma série de atendimentos a população que são realizados pelo Instituto, como é o caso de exames complementares nas áreas de anatomia patológica, toxicológica, química legal e sexologia.

O Instituto Médico Legal é um departamento auxiliar da justiça. Para isso, utiliza da Medicina e Ciências no intuito de realizar exames que venham ajudar a justiça. Em causas de mortes violentas, definir quais foram às agressões e o que levou a causa imediata do óbito. De janeiro a março do corrente ano, já foram realizados em Sidrolândia 71 exames de corpo delito, 10 exames de atos libidinosos, 12 laudos de necropsia e vários de conjunção carnal.

REIVINDICAÇÂO

Diante da importância dos serviços prestados pelo Instituto Médico Legal, e da precariedade em que se encontra o mesmo, o vereador Waldemar Acosta usou a tribuna durante sessão ordinária da Câmara nesta segunda-feira [27] e lamentou a situação em que se encontra atualmente o referido instituto.

Segundo Acosta, ano passado, o IML chegou a ficar a beira de fechar as portas por conta da falta de estrutura para realização de exames emergenciais. “Acompanhamos a luta do Delegado na época, Dr. Valter Guelssi, que teve de se desdobrar para garantir através de convênio com a prefeitura, a permanência de profissionais para realizar os atendimentos”, comentou.

O IML desde sua fundação nunca recebeu investimentos por parte do Governo do Estado para custeio de reparos e reformas, fato que deixa o instituto em estado de abandono com portões caídos, janelas sem vidros e tendo de ser cobertas com papelão ou material similar, pintura envelhecida da época de sua construção e outros descasos.

“A falta de equipamento também preocupa”, relata o vereador. Informações dão conta de que na sexta-feira [25] foi encontrado um corpo as margens da rodovia MS-162 pela Polícia Militar Rodoviária Estadual [PRE]. Pelo que consta a vítima não foi identificada no local e nestes casos, o corpo tem de ficar em geladeiras do IML ao aguardo de familiares para o reconhecimento.

Ao dar entrada no instituto, foi verificado que o equipamento estava com defeito e por tanto, sem condições de gelar [conservar] o cadáver. Segundo a Perícia que esteve no local do acidente, provavelmente a vítima teria falecido na madrugada de quinta para sexta-feira e por tanto, a cerca de 15 horas do momento da entrada no IML.

Com o passar das horas o corpo começou a entrar em putrefação, exalando mau cheiro e pondo a saúde de funcionários em grande perigo, já que ficaram expostos a várias doenças oportunistas causadas por bactérias liberadas pelos corpos devido ao calor. O problema se estendeu por todo o sábado e o cadáver, que já estava vazando, só foi encaminhado para o IML de Campo Grande por volta das 19h30min.

Tal situação foi o estopim para chamar a atenção das autoridades e setor competente do município a cerca do problema. Waldemar Acosta informou a reportagem do Jornal Eletrônico Região News que formalizará pedido ao Secretário de Segurança Pública do Estado, Dr. Wantuir Jacini, para que o mesmo viabilize recursos para restauração do prédio.

“Não estamos criando problema onde não existe, conforme alguns dizem, é o papel da sociedade cobrar melhorias em todos os setores que julgar necessário”, enfatiza o vereador. Acosta parabenizou ainda os profissionais que vivem o dia-dia do IML que mesmo diante das dificuldades, tem correspondido aos anseios da população.