Imoveis a Venda | Classificados | Super Galeria | Videos

REDAÇÃO (67)3272-6466

Noticia de: 09 de Outubro de 2017 - 16:51

Primeira Turma do STJ considera ilegal alta programada para segurados do INSS

Pelo procedimento, INSS fixa previamente prazo para retorno do segurado ao trabalho e fim do benefício auxílio-doença. Para magistrados, benefício não pode ser suspenso sem nova perícia.






 

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou ilegal a chamada alta programada, procedimento em que médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ao concederem o auxílio-doença, fixam previamente o prazo para o retorno do segurado ao trabalho e também o fim do pagamento do benefício, sem a marcação pelo INSS de nova perícia.

A Primeira Turma analisou um recurso do INSS em relação a uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

O TRF-1 entendeu que o fim do auxílio-doença deve ser, obrigatoriamente, precedido de perícia médica, em vez de ocorrer após prazo estabelecido pelo INSS como suficiente para a reabilitação do trabalhador.

O caso tem origem em um mandado de segurança apresentado, em 2006, por um morador da Bahia. Segundo a assessoria do STJ, a decisão vale somente para os envolvidos nesse episódio, mas abre um precedente para situações semelhantes.

Em nota, a assessoria do INSS disse que a decisão da Primeira Turma não é definitiva e que irá recorrer.

Segundo o INSS, a decisão não altera os procedimentos administrativos do órgão em relação aos demais segurados.

Na nota, o INSS também sustenta que “o médico perito, ao realizar a avaliação do segurado, fixa o período necessário à recuperação da capacidade laboral com base em conhecimentos técnicos médicos”.

“Vale ressaltar que antes do término deste período de recuperação fixado, o segurado poderá requerer a prorrogação do benefício, mantendo-o até a efetiva realização da perícia”, diz o documento.

Para o relator do caso no STJ, ministro Sérgio Kukina, a alta programada ofende a legislação sobre benefícios da Previdência Social.

“A cessação de benefício previdenciário por incapacidade pressupõe prévia avaliação médica, sendo imprescindível, no caso concreto, que o INSS realize nova perícia, em ordem que o segurado retorne às atividades habituais apenas quando efetivamente constatada a restauração de sua capacidade laborativa”, declarou Kukina.








Agência Brasil


Reportar Erros



 


 
.
BRASIL

OMC decide a favor do Brasil em painel contra Indonésia sobre exportação de frango
EDUCAÇÃO

Nota do Enem é aceita para ingresso em 27 universidades de Portugal
BRASIL

MPF-PE pede afastamento do ministro da Saúde
EDUCAÇÃO

Um em cada quatro jovens vai abandonar o ensino médio até o final do ano
 
 
  • Notícias
  • + Lidas

1

Edno diz que Incra usa escritório bancado pela Prefeitura para regularizar assentamentos de outras cidades

Leia mais


2

Diretório do PSB recomenda à bancada a destituição de Tereza Cristina da liderança do partido

Leia mais


3

Professor fica gravemente ferido em acidente com dois carros na BR-163

Leia mais


4

Caixa e BB antecipam em dois dias pagamento do PIS/Pasep a correntistas

Leia mais


5

Enquanto tomava banho, homem invade residência e tenta estuprar moradora

Leia mais








© Regiao News - Todos os Direitos Reservados.
contato@regiaonews.com.br
+ 55 67 3272 6466
Desenvolvido por:
MD-WEBMARKETING