Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Artigos

Adenilso Assunção: Cidade partida e indiferente com direitos violados

São necessários projetos urgentes de combate ao uso e ao tráfico de substâncias psicoativas, principalmente o CRACK, diz conselheiro em artigo

Adenilso Assunção

24 de Janeiro de 2011 - 11:33

Adenilso Assunção: Cidade partida e indiferente com direitos violados
Adenilson Assun - Foto: Marcos Tom

O que é o futuro?

Para as plantas que nascem, crescem, soltam flores, frutos, ficam velhas, morrem... O futuro é um processo de reprodução natural. De fazer do ciclo de vida um processo lindo, afinal o que seria o mundo sem esta espécie de ser vivo?

Para os animais não racionais. O cachorro, o gato, o boi, a galinha, espécies que servem de alimento e instrumento para obtenção de riqueza (patrimônio) de muitos. Estes têm direito a veterinário, pet shop, vacinas, brincos, registro, cuidados especiais por parte do Estado. Afinal, geram riqueza, divisas, fortunas e impostos para os cofres públicos.

Mas onde está o homem nesta história? Ser racional, “inteligente”, objetivo da destruição do mundo, transformação de ecossistemas, dizimação de espécies, responsabilidade maior do Estado, das Leis e dos Direitos preconizados pela Constituição Brasileira, pelas legislações Penal, Civil, Trabalhista, pelos Estatutos do Idoso da Criança e do Adolescente.

Onde estão nossos direitos?

Cadê o respeito ao direito primeiro, O DIREITO À VIDA.

HOMEN, ser de difícil convivência, com suas tribos, defeitos, idéias, diferenças, vícios. Direito, inclusive de ser diferente garantido por Lei. Em Sidrolândia não estamos seguindo o curso natural da vida. Não estamos nascendo, crescendo, reproduzindo, envelhecendo. MORREMOS ANTES - ESTÃO TIRANDO NOSSO DIREITO DE TER VIDA.

Vejam quantos jovens já morreram e estão morrendo em nossa cidade. De forma brutal, anunciada, inútil, sem causa e sem objetivo, E PARECE TUDO NATURAL AOS OLHOS DO ESTADO, dos agentes que deveriam zelar pelo respeito à legislação!

Uma juventude sem ideologia, sem estudo, sem rumo. A mercê do mercado, do capital, dos governos e de uma sociedade perdida e sem rumo.

MORREM E NÃO FAZEMOS NADA

É tudo tão natural brigar e matar, Cascatinha1 X São Bento2. Cascatinha 2 X São Bento 2, assim vão indo um a um. É tudo tão natural o consumo de Crack, a boca da esquina, a tia que espanca e alicia, maltrata. É TUDO TÃO NATURAL.

BERTOLD BRECHT (1898-1956), um destacado dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX escreveu:

É Preciso Agir

Primeiro levaram os comunistas
Mas não me importei com isso
Eu não era comunista

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os sindicalistas
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou sindicalista

Depois agarraram uns sacerdotes
Mas como não sou religioso
Também não me importei

Agora estão me levando

Mas já era tarde,

Já não existe mais ninguém pra lutar comigo.

Os que matam e os que morrem com certeza não são da Classe A sidrolandense. Do topo da pirâmide da sociedade capitalista. Mas não esqueçam que vivemos em uma sociedade sem muros nem fronteiras que nos cercam da pobreza, da violência, das desgraças e dos problemas sociais.

A redoma um dia quebrará, aí entenderemos que os problemas de Sidrolândia são de todos nós, ricos, pobres e remediados. Que nenhuma classe social esta livre e todos fazemos parte da solução.

Na condição de Conselheiro Tutelar, me entristece ser um agente público e político com a responsabilidade de zelar pelos direitos de Crianças e Adolescente e, não estarmos conseguindo cuidar do direito primordial dos jovens de Sidrolândia, O DIREITO A VIDA.

Espero que este espírito de tristeza não recaia somente no Conselheiro Tutelar, limitado por leis, recursos financeiros e amarras impostas pela estrutura do estado, mas, nos outros agentes públicos tão ou mais responsáveis. No Executivo Municipal, no Executivo Estadual, Promotoria de Justiça, Juizado da Infância e juventude e, principalmente, na cabeça de NOSSA SOCIEDADE, afinal, somos todos responsáveis pela sociedade que vivemos.

Espero que no ano de 2011 encontremos caminhos, projetos, soluções para este mal maior que tem assolado nossa SIDROLÂNDIA, o desrespeito ao direito à vida. Espero que juntos consigamos dar perspectivas a esta juventude que se mata sem causa aparente.

São necessários projetos urgentes de combate ao uso e ao tráfico de substâncias psicoativas, principalmente o CRACK, que está assolando Sidrolândia e todo o Brasil e, deve ser urgente o oferecimento de recuperação e tratamento aos usuários.

Sidrolândia necessita de projetos e programas sociais com o objetivo de fazer a inclusão desses jovens no mercado de trabalho, no acesso a práticas esportivas e a atividades culturais.

Não existe nada neste aspecto proposto pelo executivo, parece que estamos em um país que esta a quilômetros de distância de uma olimpíada e de uma copa do mundo de futebol. É uma vergonha.

Homens e mulheres não nascem violentos, assassinos, dependentes químicos... A vida e influencias que recebem desde o nascimento transformaram-nos em problemas hoje.

Evidentemente, nos casos em que nenhuma medida social alcance, adolescentes e jovem que cometem atos inflacionais, no sentido da recuperação, será necessário criação na cidade de espaços para aplicação de medidas sócio educativas previstas no ECA, sejam elas de semi-liberdade, liberdade assistida ou de restrição de liberdade.

Quero lembrar o Programa do Luciano Huck de final de ano, onde com a colaboração de empresas, do governo e entidades, conseguiram transformar a vida de uma comunidade de pescadores do Amazonas. Comunidade de São Thomé. Naquele programa pescadores que nunca haviam cantado, cantaram, e em inglês. Exercitaram/> cidadania e espírito coletivo de ação social. Puderam juntos dar novas possibilidades ao coletivo de sua comunidade.

Nosso município é rico, com grandes empresas que exploram mão de obra, recursos naturais, recebem subsídios fiscais municipais e estaduais. Essas empresas devem ter responsabilidade social com nossa juventude.

Quantas famílias se mudaram para o município em busca de emprego, trabalho e encontraram nessas empresas a condição mínima de sobrevivência?

Esses subsídios fiscais devem ser transformados em investimentos em cultura, esporte, formação para nossa juventude, colaborando pela construção de uma Sidrolândia melhor.

Termino este desabafo, que deve ser enxergado como um desafio, transcrevendo a música de John Lennon, Imagine, para o português. Musica cantada pelo pescador no programa do Ruck, acompanhado por um coral formado por mulheres, homens e crianças da comunidade de São Thomé. Juntos tinham o desafio de catarem a música para transformarem sua realidade, nossos sonhos devem ser embalados pela música e pelo espírito coletivo daquela comunidade.

Imaginem que cidade melhor teríamos se trabalhássemos coletivamente para resolver nossos problemas!!!

Imagine - John Lennon

Imagine que não exista nenhum paraíso,
É fácil se você tentar.
Nenhum inferno abaixo de nós,
Acima de nós só o Céu.

Imagine todas as pessoas
Vivendo pelo hoje...

Imagine que não houvesse nenhum país,

Não é difícil de imaginar.
Nenhum motivo para matar ou morrer,
E nem religião também.

Imagine todas as pessoas
Vivendo a vida em paz...

Você pode dizer que eu sou um sonhador
Mas eu não sou o único
Espero que um dia você junte-se a nós
E o mundo será como um só

Imagine que não há propriedades
Eu me pergunto se você pode
Sem a necessidade de ganância ou fome
Uma irmandade dos homens.

Imagine todas as pessoas
Compartilhando o mundo todo.

Você talvez diga que sou um sonhador,
Mas eu não o único.
Espero que um dia você se junte a nós,
E o mundo viverá como um só.

Escrito por Adenilso Assunção – Assentado, Professor Formado pela Universidade Católica Dom Bosco em 1991 com exclusividade ao Jornal Eletrônico Região News. Adenilso é pós Graduando em Educação do Campo (UFMS - 2011); Mestrando em Educação (UFMS - 2013); Militante dos Direitos Humanos; Ativista da Luta pela Reforma Agrária e Conselheiro Tutelar de Sidrolândia.