Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Economia

Aberta a temporada de emprego nas lavouras de soja em MS

Este ano, os produtores de Mato Grosso do Sul esperam colher 5,6 milhões toneladas do grão, 7% a mais do que na última safra.

MS Noticias

26 de Fevereiro de 2011 - 10:12

Centenas de pessoas conseguem emprego temporário todos os anos em Mato Grosso do Sul para colher a soja e, em seguida, já iniciar o plantio do milho safrinha. É um período onde o agricultor e o funcionário devem ter atenção redobrada na hora de assinar os contratos trabalhistas. Para muitos, também é oportunidade de conseguir um emprego definitivo.

Lavouras de soja a perder de vista. Este ano, os produtores de Mato Grosso do Sul esperam colher 5,6 milhões toneladas do grão, 7% a mais do que na última safra.

Em uma fazenda em Campo Grande, a colheita da soja começa daqui a uma semana e para fazer este serviço, o dono vai precisar contratar mais 10 funcionários. Eles vão trabalhar durante um mês na propriedade. Além de colher os grãos, os temporários também vão preparar o solo para o plantio do milho safrinha.

Para dar conta de todo o serviço, Carmélio Roos disse que vai contratar ainda outros 10 trabalhadores para fazer a classificação e embalagem das sementes. Todos terão carteira assinada. 'É feito exame de saúde admissional, registro em carteira e contrato de trabalho, onde consta as obrigações do trabalhador', disse o agricultor.

A filha do plantador de soja é a gerente do departamento financeiro da fazenda. 'É difícil encontrar cursos profissionalizantes para esse pessoal e muita gente não tem tempo de ficar parado um ou dois meses fazendo os cursos. Nesta época, a gente precisa com urgência, então quando o funcionário é bom, tendo qualificação, inclusive, com a safra ele acaba sendo contratado e vira efetivo', afirmou Maria Carolina Roos.

Um safreiro tem praticamente todos os direitos trabalhistas garantidos por lei. Fundo de garantia, férias proporcionais, 13º, horas extras, descanso semanal, horário para refeições. Ao final do contrato, ele não recebe aviso prévio, nem a multa de 40% sobre o FGTS.

Muita gente que procura emprego nas lavouras de soja de Mato Grosso do Sul vem de outros estados, principalmente do Nordeste. Esses trabalhadores devem evitar os empreiteiros, os chamados gatos, que fazem ilegalmente as intermediações nas contratações. 'Eles devem procurar conversar diretamente com o empregador, o proprietário da área ou com o preposto desse empregador. Eles não devem confiar em terceiros para intermediar a negociação', explicou Gilson da Silva, advogado trabalhista.

Mato Grosso do Sul produz pouco mais de 7% da safra nacional de soja.