Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 9 de Maio de 2021

Economia

Com 6ª maior população, IBGE mostra Sidrolândia como 12ª economia do Estado

Em Sidrolândia, entre 2010 e 2014, o número de famílias que recebem o Bolsa Família aumentou de 26,2% para 33,8%.

Flávio Paes/Região News

18 de Dezembro de 2016 - 22:00

Cantada na ultima campanha eleitoral em prosa verso, em tom até de ufanismo, como a cidade que mais cresce no Estado em termos populacionais, o PIB (Produto Interno Bruto) de 2014 divulgado pelo IBGE na semana passada mostra que em termos econômicos, Sidrolândia enfrenta uma realidade bem menos generosa.

O fato é que com seus mais de 52 mil habitantes é a sexta cidade mais populosa de Mato Grosso do Sul, mas é apenas a 12º maior economia do Estado, mantendo a mesma posição de 2010 quando tinha uma população de 42 mil habitantes.

Conforme o levantamento, em 2014 a economia da cidade movimentou mais de R$ 1,230 bilhão, um incremento de 60,77% em relação a 2010, quando o PIB somou R$ 764 milhões. É um número expressivo, mais modesto, diante do crescimento obtido por cidades com metade da população sidrolandense, como Costa Rica (111,41%) e São Gabriel do Oeste (83%) que ostentam PIBs praticamente iguais ao de Sidrolândia. Perdeu posição para Chapadão do Sul, que com 23 mil habitantes, alcançou a 10º posição como a maior economia do Estado.  

Com o fechamento da Usina Santa Olinda, no Quebra Coco, que gerava 2 mil empregos (no período de safra) combinado com o fato da cidade não ter atraído novas indústrias, reduziu a oferta de novos empregos que pudessem garantir trabalho para esta população que migrou para a cidade. Boa parte destas pessoas dependem de programas sociais para complementar a renda.

Em Sidrolândia, entre 2010 e 2014, o número de famílias que recebem o Bolsa Família aumentou de 26,2% para 33,8%. Essa proporção manteve-se superior à média do Estado e o ritmo desse aumento superou o registrado no total de famílias beneficiadas no Estado de MS, que passou de 19,2% para 19,6%.

A Prefeitura com pouco mais de 2 mil funcionários e o frigorífico da JBS, com o mesmo contingente são os dois maiores empregadores da cidade. Atualmente 27,54% da população recebem do programa (4.472 famílias), o que injeta na economia da cidade R$ 700 mil.

Segundo o secretário Estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruk, o PIB municipal é um instrumento importante para que os gestores públicos conheçam a realidade de seus municípios. Os prefeitos devem ficar atentos aos números do PIB municipal, pois a partir deles são definidos os valores de alguns repasses do governo federal.

A estimativa que se faz é de que cerca de 33% do valor do PIB se reverta em carga tributária para o município. “Todo o planejamento de orçamento para os próximos anos são projetados a partir do valor do PIB, é uma fonte referência”, revela Jaime Verruck. De acordo com o IBGE, Campo Grande tem o maior PIB municipal, seguida de Três Lagoas, Dourados, Corumbá e Ponta Porã.

PIB Municipal

2010

2014

Campo Grande

R$ 15.089.120,02

R$ 23,902.135,36  

Variação de 58,40%

Três Lagoas

3.917.073,40

R$ 7.204.774,35

Crescimento de 84,85%

Dourados

R$ 3.765.442,18

R$ 6.958.572,73

Crescimento de 81,51%      

Corumbá

R$ 1.863.759.05

R$ 3.101.210,40

Crescimento – 66,39%

Ponta Porã

R$ 1.050.414,90

R$ 2.091.131,87

Crescimento de 99,07%

Selvíria

R$ 1.471.242,28

R$ 1.819.019,52

Crescimento de 23,63%

Maracaju

R$ 1.113.718,58

R$ 1.817.921,22

 Crescimento de 63,22%

Nova Andradina

R$ 864.838,43

R$ 1.694.875,53

Crescimento de 95,97%

Rio Brilhante

R$ 1.039.413,24

R$ 1.475.595,85

Crescimento de 41,69%

10º

Chapadão do Sul

R$ 787.559,53

R$ 1.392.009,24

Crescimento de 76,74%

11º

Naviraí

R$ 807.936,06

R$ 1.350.688,80

Crescimento de 67,17%

12º

Sidrolândia

R$ 764.488,23

R$ 1.230.748,14

Crescimento de 60,77%

13º

São Gabriel do Oeste

R$ 629.917,99

R$ 1.204.864,91

Crescimento 83,25%

14º

Costa Rica

R$ 544.859,53

R$ 1.151.908,25

Crescimento de  111,41%