Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 21 de Junho de 2024

Economia

Consumo de gás natural cresce mais de 10% em seis meses

Assessoria

30 de Julho de 2012 - 10:42

Dados da Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul (MSGÁS), apontam para um aumento de 10% no volume de gás consumido no primeiro semestre de 2012. Os setores comercial, industrial e residencial são os principais responsáveis pelo crescimento.

De janeiro a junho de 2012, foram consumidos 3,15 milhões de metros cúbicos de gás natural a mais do que o ano passado e que foram utilizados pelos setores de cogeração, comercial, GNV, industrial e residencial.

Destes, o comercial e o residencial são os que mais apresentam crescimento, sendo de 20,74% e 19,84%, respectivamente. “O consumo de gás natural por esses setores está em expansão em Campo Grande, por isso o crescimento considerável”, aponta o Diretor Presidente da MSGÁS, Matias Gonsales Soares.

Para continuar incentivando os moradores de residenciais e prédios de Campo Grande a consumirem gás natural em suas casas, a MSGÁS lançou uma campanha onde os novos clientes residenciais ganham até um ano de gás grátis.

Termoelétricas

As duas termoelétricas do Estado consumiram, juntas, 1.922% de gás natural a mais do que de janeiro a junho do ano passado. Devido a estiagem em algumas regiões do Brasil, a produção energética das hidrelétricas diminuiu muito e as termelétricas sul-mato-grossenses começaram a consumir gás para gerar e distribuir energia para o país.

Dessa forma, a termoelétrica Willian Arjona, localizada em Campo Grande aumentou em 5.046% o consumo de gás natural, saltando de 462,6 mil metros³ de janeiro a junho de 2011 para 23,8 milhões metros³ no mesmo período de 2012.

Já a termoelétrica Luis Carlos Prestes, de Três Lagoas, consumiu 16 vezes mais em 2012 do que no ano passado, saltando de 4,3 milhões metros³ de janeiro a junho de 2011 para 72,8 milhões de metros³ no mesmo período deste ano.

O consumo de gás natural é usado para quantificar a produção de energia das unidades, já que as termelétricas não divulgam os dados de geração elétrica.