Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 10 de Agosto de 2022

Economia

Custo médio do metro quadrado fica 0,06% mais barato no Estado

De julho (R$ 953,11) a agosto (R$ 954,55) houve ligeiro aumento no valor do metro quadrado, mas a queda registrada em setembro foi de 0,06%.

Campo Grande News

07 de Outubro de 2015 - 10:37

O Sinapi (Índice Nacional da Construção Civil) registrou ligeira queda nos custos médios por metro quadrado em Mato Grosso do Sul em setembro deste ano, segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No Estado, o valor foi de R$ 953,95 neste mês, contra R$ 954,55 registrado em agosto.

De julho (R$ 953,11) a agosto (R$ 954,55) houve ligeiro aumento no valor do metro quadrado, mas a queda registrada em setembro foi de 0,06%.

Para José Abelha Neto, presidente do Sintracom/CG (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande), a queda nos preços da produção são reflexo da má fase da economia nacional.

"Quem oferece mão de obra precisou baixar preços para conseguir se manter no mercado. No comércio percebemos que as vendas paralisaram um pouco, o mercado está um pouco retraído, então baixar os custos do metro quadrado é um incentivo à pessoa contratar. Quando baixa, tem mais opção de compra", avalia.

Cuidado - Para ele, os investidores da construção estão mais cautelosos e, quem quer investir, precisa ter agora um olhar diferenciado. Apesar disso, o cenário de MS ainda é favorável. "Sabemos que o Estado teve uma queda (no mercado de construção), mas não foi tão acentuada que a nível nacional. Temos uma situação um pouco melhor devido à economia do Estado", afirma.

"Mas o mercado não parou. Existem muitos canteiros de obra a todo vapor. E é preciso considerar que em Campo Grande temos muitos trabalhadores que vem de fora, 30% da mão de obra daqui é de fora", finaliza.

Em termos nacionais, o Sinapi apresentou variação de 0,26% em setembro, ficando 0,44% abaixo da taxa de agosto (0,70%). Considerando o período de janeiro a setembro deste ano, o resultado foi 4,86%. Nos últimos doze meses a taxa situou-se em 6,07%, acima dos 5,96% registrados nos doze meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2014 o índice foi 0,16%.

Estado - Em Mato Grosso do Sul, o acumulado do ano chegou a 5,34% no mês passado e, nos últimos 12 meses, 5,24%. Esses números consideram isenções da folha de pagamento das empresas do setor. Quando não considerada a desoneração da folha, o custo médio no Estado chega a R$ 1,015,89, com variação mensal em queda, de 0,08%.

A nível nacional, a parcela dos materiais apresentou variação de 0,32%, subindo 0,11% em relação ao mês anterior (0,21%). Já a mão de obra teve variação de 0,20% e ficou 1,08% abaixo da taxa de agosto (1,28%).

Em relação aos acumulados do ano, os materiais registraram índice de 3,06% e, a mão de obra, 7,01%, sendo que nos últimos 12 meses os materiais ficaram em 3,97% e, a mão de obra, em 8,58%.