Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 4 de Agosto de 2021

Economia

Emprego na indústria tem leve queda de dezembro para janeiro

Comparando janeiro deste ano com o mesmo período do ano passado, o emprego na indústria cresceu 2,7%, pela 12ª vez consecutiva.

Agência Brasil

11 de Março de 2011 - 15:33

O emprego na indústria teve uma ligeira queda de 0,1% em janeiro deste ano, em relação ao mês anterior. O resultado é igual ao registrado em dezembro de 2010.

O dado, que faz parte da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes), foi divulgado hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com o documento do IBGE, o quadro de “estabilidade” reflete o “menor dinamismo da produção industrial observado a partir do segundo trimestre do ano passado”.

O número de horas pagas pela indústria também caiu 0,1% em relação ao mês anterior, depois de crescimentos de 0,3% em novembro e dezembro de 2010.

Já o valor da folha de pagamento real cresceu 5,1% em janeiro, em relação a dezembro, depois de uma queda acumulada de 4,4% nos últimos dois meses de 2010.

Comparando janeiro deste ano com o mesmo período do ano passado, o emprego na indústria cresceu 2,7%, pela 12ª vez consecutiva.

O resultado, no entanto, foi o menos intenso desde março de 2010, quando havia sido registrado um crescimento de 2,4%.

Nessa mesma comparação, o emprego avançou nas 14 regiões pesquisadas pelo IBGE, com destaque para São Paulo, com crescimento de 2,0%, Minas Gerais (4,2%), e as regiões Norte e Centro-Oeste (4,4%) e Nordeste (2,1%).

Entre as 18 atividades industriais pesquisadas, 12 registraram aumento no contingente de trabalhadores.

Os segmentos de maior destaque foram meios de transporte (8,2%), produtos de metal (8,9%), máquinas e equipamentos (7,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (7,6%) e metalurgia básica (9,0%).

Na comparação do acumulado dos últimos 12 meses com igual período anterior, o crescimento do emprego na indústria foi recorde. A taxa de 3,7% é a mais alta desde o início da série histórica.