Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 28 de Janeiro de 2022

Economia

Entra em vigor tarifaço e conta de luz sob 17,49% a partir desta sexta-feira

Para os consumidores de alta tensão, o reajuste é de 14,86%.Essa nova tarifa vale até 7 de abril do ano que vem, quando será definido um novo aumento.

Marcos Tomé/Região News

08 de Abril de 2011 - 09:33

A tarifa de energia já está 17,49% mais cara a partir de hoje para 815 mil clientes da Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul). A empresa é responsável pelo abastecimento de 72 municípios de Mato Grosso do Sul. Foi o maior percentual entre as 10 distribuidoras com revisão tarifária neste mês.

 O aumento, autorizado no dia 5 de setembro, foi homologado hoje pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), com a publicação no Diário Oficial da União. O aumento médio é de 17,49%, com diferenciação entre as classes de consumidores. Os de baixa tensão, a grande maioria, já estão pagando, a partir de hoje, 18,57% a mais pela energia consumida. Para os consumidores de alta tensão, o reajuste é de 14,86%.Essa nova tarifa vale até 7 de abril do ano que vem, quando será definido um novo aumento.

O que foi uma vitória do consumidor, a determinação de devolução de R$ 191 milhões cobrados a mais pela empresa durante 5 anos, agora acaba, segundo os conselheiros, resultando em um impacto ainda maior do reajuste aprovado. Tanto o conselheiro que relatou o processo, Romeu Donizete Rufino, quanto os outros que votaram, justificaram que a Aneel tem preocupação com a chamada “modicidade” das tarifas, conceito que defende um impacto menor para o consumidor.

Porém, justificaram que a Aneel tem a função de fazer cumprir a lei e os contratos com as empresas concessionárias de energia e disseram que é isso que está sendo feito em relação à tarifa da Enersul.

Romeu Rufino disse, também, que em relação à inflação acumulada entre 2007 e 2011, a tarifa da Enersul subiu menos. A inflação acumulada, conforme relatado, foi de 16%, segundo apontado, enquanto a inflação, medida pelo IGPM, atingiu 31%.