Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 16 de Outubro de 2021

Economia

Estado encerra 2010 com expansão na produção industrial

Pelo levantamento, o mês de dezembro registrou o maior índice de expansão da produção industrial do último trimestre

Daniel Pedra/Região News

02 de Fevereiro de 2011 - 15:30

A atividade industrial em Mato Grosso do Sul fechou 2010 em expansão, com o índice alcançando 51,7 pontos em dezembro, contra 44,7 e 44,1 pontos nos meses de novembro e outubro, respectivamente, conforme aponta a Sondagem Industrial realizada mensalmente pelo Radar Industrial da Fiems junto às empresas do Estado para mostrar a evolução da produção, utilização da capacidade instalada, estoque de produtos finais, compras de matérias primas e as expectativas dos empresários para os próximos seis meses. Pelo levantamento, o mês de dezembro registrou o maior índice de expansão da produção industrial do último trimestre e o Estado encerrou o ano com as atividades industriais em crescimento.
 
O
resultado observado sinaliza, deste modo, uma expansão mais disseminada entre os segmentos industriais do Estado (valores acima de 50 pontos sinalizam aumento da produção da indústria). Adicionalmente, do total de respondentes, 32% indicaram que a produção industrial, no período pesquisado, mostrou-se em elevação moderada, contra 21% e 11% que tiveram reduções moderada e acentuada, respectivamente. Já os 37% restantes apontaram estabilidade na produção industrial, comparativamente ao mês anterior. Quanto à utilização da capacidade instalada, o índice encerrou o ano em 48,8 pontos, sendo o maior resultado do último trimestre, já que nos meses de outubro e novembro o indicador ficou em 40,0 e 47,3 pontos, respectivamente.
 
Em síntese, o desempenho ocorrido sinaliza que o uso das máquinas e equipamentos instalados nas plantas industriais pesquisadas em Mato Grosso do Sul foi ligeiramente inferior àquilo que é tido como usual para o mês (valores a partir dos 50 pontos indicam utilização acima do usual para o período). Contudo, a intensidade de utilização foi suficiente para garantir a elevação da produção industrial, comparativamente aos meses de novembro e outubro, como indicado anteriormente. Adicionalmente, do total de respondentes, 21% indicaram que a utilização da capacidade instalada esteve moderadamente acima do usual para o mês de dezembro, contra 11% que sinalizaram uma utilização muito abaixo e 16% moderadamente abaixo. Já os 53% restantes apontaram adequação na utilização da capacidade instalada, comparativamente àquilo que é tido como usual para o mês.
 
Com relação ao índice referente ao estoque de produtos finalizados, no mês de dezembro, ficou em 39,1 pontos. Indicando, deste modo, que a quantidade de produtos finalizados ao final do mês, esteve abaixo daquilo que foi planejado ou desejado pelos respondentes. Neste caso, o indicativo de adequação entre os estoques planejados e o resultado apurado ao fim do mês ocorre quando o índice fica em torno dos 50 pontos. Sendo assim, valores inferiores a essa marca significam que os estoques estiveram abaixo, já os valores superiores sinalizam que os estoques foram maiores que os níveis planejados ou desejados para o mês em questão.
 
Por
fim, 6,0% dos respondentes disseram que a quantidade de produtos finalizados em estoque esteve muito abaixo em relação ao planejado para o mês de dezembro, enquanto 18% afirmaram que os estoques estiveram moderadamente abaixo dos níveis planejados. Contra 24% com um estoque moderadamente maior. Os 53% restantes apresentaram uma quantidade em estoque adequada aos níveis planejados ou desejados para o mês. Quanto às expectativas para a demanda por seus produtos nos próximos seis meses, os industriais sul-mato-grossenses se mostraram otimistas, com o indicador alcançando a marca de 57,1 pontos. Comportamentos semelhantes foram verificados quanto ao número de empregados com 52,5 pontos e compras de matérias-primas com 60,5 pontos. Por fim, nos três casos, indicadores acima dos 50 pontos significam a ocorrência de expectativas positivas para os próximos seis meses.