Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 19 de Outubro de 2021

Economia

Frigoríficos repassam mais de R$ 15 mi de participação no lucro aos empregados

Rinaldo Salomão explicou que não são todos os frigoríficos do Estado que pagarão esse abono ou PPR

Wilson Aquino

24 de Fevereiro de 2011 - 09:51

Trabalhadores nas indústrias de alimentação (aves, suínos e bovino) e bebidas de Mato Grosso do Sul vão receber este mês, mais de R$ 15 milhões referentes à Participação no Lucro das Empresas (PPR) ou “abono’ como definem algumas empresas. A informação é de Rinaldo de Souza Salomão, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins de Campo Grande e Região.

Segundo ele, por força de Convenção Coletiva de Trabalho, as empresas têm até o início de março para efetuar o pagamento que varia de R$ 200,00 a R$ 3.000,00 para os trabalhadores favorecidos com esse benefício. “Será um dinheiro muito importante e que vem em boa hora não só para os trabalhadores, que poderão liquidar contas e adquirir bens, como também para o comércio da Capital e interior, que está desaquecido nesse início de ano”, afirmou .

Rinaldo Salomão explicou que não são todos os frigoríficos do Estado que pagarão esse abono ou PPR. Os frigoríficos que abatem bovinos para exportação e os que abatem suínos e aves é que fecharam esse acordo que vem vigorando há alguns anos. “Nossa luta é para que todos os frigoríficos e indústrias em geral paguem aos trabalhadores uma participação no lucro das empresas”, afirmou o sindicalista que está satisfeito com a entrada desses mais de R$ 15 milhões no mercado de Mato Grosso do Sul.

Atualmente Rinaldo e outros sindicalistas do Estado estão procurando fechar novas convenções coletivas referentes ao período de 2011/12. E em todos eles existe a proposta do PPR. “Esperamos contar coma  sensibilidade daqueles empresários que ainda não se conscientizaram da importância dessa divisão de lucro com os empregados, que são a mola propulsora do sucesso de todo e qualquer empreendimento”, afirmou.