Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 16 de Maio de 2021

Economia

Pagamento do 13º até dia 20 deve injetar R$ 5 milhões na economia de Sidrolândia

Dentre os obstáculos citados por Reinaldo para conseguir provisionar o 13º salário foi citada a queda de receita e perda do ICMS.

Flávio Paes/Região News

13 de Dezembro de 2016 - 08:25

Os servidores estaduais recebem o 13º na sexta-feira enquanto a Prefeitura de Sidrolândia vai pagar o abono natalino dos seus funcionários na próxima terça-feira, dia 20, quando também os 2 mil funcionários da JBS e os demais empregados da iniciativa privada receberão a segunda parcela.

A expectativa é de que boa parte da massa de recursos, em torno de R$ 5 milhões, seja canalizada para as compras de final do ano, provocando aquecimento nas vendas do comércio da cidade. Neste valor estão computados em R$ 1,5 milhão referente ao pessoal da JBS; R$ 3 milhões da Prefeitura e o valor complementar, corresponde ao conjunto do restante das empresas. Logicamente parte deste dinheiro o trabalhador não vai gastar em compras. Muita gente certamente vai preferir pagar contas ou reservar uma parte para os compromissos de início do ano, como o pagamento de IPTU, IPVA, compra de material escolar.

Ontem o governador Reinaldo Azambuja anunciou que quinta-feira serão depositados R$ 400 milhões e no dia seguinte os servidores públicos vão ter disponível nas suas contas o décimo. De acordo com o governador, serão injetados na economia cerca de R$ 1,2 bilhão somente neste fim de ano, referentes a vencimentos dos servidores estaduais. Representantes do comércio estiveram presentes durante a divulgação da data.

“Nós fizemos um esforço e um planejamento que vem de 2015, o qual nos deu condições de poder cumprir com regularidade a folha de pagamento. Pagar o mês de novembro no dia 1º de dezembro, o 13º salário agora no dia 16 e o mês de dezembro no dia 1º de janeiro, construindo um montante de R$ 1,2 bilhão com as três folhas. Isso mostra a equipe se planejando. O estado fez sua parte e hoje temos a satisfação de anunciar esse pagamento, que é um pedido de todas as associações ligadas ao comércio para aquecer nossa economia”, declarou o governador.

Dentre os obstáculos citados por Reinaldo para conseguir provisionar o 13º salário foi citada a queda de receita e perda do ICMS (principalmente do gás), que registrou quase R$ 700 milhões negativos esse ano. O governador destacou que as medidas austeras tomadas em 2015, com reajustes de impostos como IPVA, ITCD, ICMS dos supérfluos, foi o que auxiliou a equipe econômica a manter o equilíbrio fiscal a duras penas.

“Foi bastante difícil, mas conseguimos achar uma equalização. O governo vem fazendo uma reserva desde o início do ano de 2016. Seguramos um pouco em dezembro por conta da economia atípica. Tivemos estagnação no terceiro bimestre, diferente do que era projeto. Mesmo com tudo isso conseguimos fazer o equilíbrio para pagar em dia os salários e o 13º dos servidores ativos e inativos de MS”, afirmou Reinaldo.