Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 16 de Maio de 2021

Economia

Participação da indústria na economia da cidade caiu 45,13%, mostra pesquisa do IBGE

O setor de comércio e serviços (incluindo bancos e administração pública) que respondiam por 48,64% passaram a contribuir com 52,37%.

Flávio Paes/Região News

18 de Dezembro de 2016 - 22:34

A contribuição do setor industrial na economia de Sidrolândia caiu 45,48%, enquanto a do segmento comercial e serviços, que abrange também bancos e administração pública aumentaram 6,10%. Este dado, revelado com base no detalhamento do PIB (Produto Interno Bruto) municipal divulgado na semana passada pelo IBGE, mostra que nos últimos anos houve um freio do processo de industrialização da economia local.

Não chegaram novas indústrias de porte e uma das que geravam mais emprego, a Usina Santa Olinda, fechou há três anos. Recentemente encerrou suas atividades a Via Blumenau (confecções de moda praia) que chegou a gerar 150 empregos diretos. A esmagadora Rio Pardo Bioenergia deu férias coletivas para seus 25 funcionários (depois de demitir 35 trabalhadores em abril passado) e a Cotag (beneficiadora de arroz) funciona com mais de 80% de capacidade ociosa, com aproximadamente 7 empregados. Há uma expectativa da entrada em funcionamento no mês de janeiro do Frigorífico Balbinos, com previsão de gerar inicialmente 300 empregos.

Os setores da agropecuária e o de serviços (majoritariamente a prefeitura) ampliaram de 82,93% para 88.17% a participação deles no dinheiro movimentado na economia local.

Em 2010, as indústrias instaladas na cidade contribuíam com 17,17% do chamado valor adicionado, que corresponde ao valor dos bens produzidos, descontados os custos dos insumos (matérias-primas, serviços, bens intermediários), utilizados na produção.

O setor de comércio e serviços (incluindo bancos e administração pública) que respondiam por 48,64% passaram a contribuir com 52,37%. A agropecuária mantém estabilizada sua participação (34,19 para 35,80%). Em termos financeiros, o valor adicionado da indústria aumentou 11,48% (de R$ 118.458,16 para R$ 132.063,00) abaixo de uma inflação acumulada no período de 34,54%.

O adicionado da agropecuária cresceu 69,35% (de R$ 235.941,73 milhões para R$ 399.532,23). Já o comércio e os serviços, injetaram R$ 584.513,32 na economia (74,16% a mais que em 2010, quando foram contabilizados R$ 335.600,36).