Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 21 de Abril de 2024

Educação

Mato Grosso do Sul está entre os dez estados com maior número de projetos finalistas na principal feira científica do país

Estudantes dos IFMS de Dourados são finalistas na principal feira científica do país.

Assessoria

01 de Fevereiro de 2024 - 16:42

Mato Grosso do Sul está entre os dez estados com maior número de projetos finalistas na principal feira científica do país
Foto: Divulgação.

Na região Centro-Oeste Mato Grosso do Sul lidera com 53% dos projetos científicos classificados para a fase final da FEBRACE; Grupo Arandú possui ação de capacitação para os trabalhos

O estado de Mato Grosso do Sul se destaca na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), com oito projetos científicos classificados para a fase final. Por mais de duas décadas a FEBRACE tem incentivado o interesse pela ciência entre estudantes do Ensino Básico em todo o país. A etapa final do evento está agendada para ocorrer presencialmente em março, na Universidade de São Paulo (USP).

Durante a semifinal da Feira, que ocorreu entre os dias 15 e 26 de janeiro, trabalhos científicos de todo o país passaram por rigorosas rodadas de avaliações. Dentre eles, os projetos de Campo Grande, Corumbá, Dourados e Aquidauana, alcançaram notoriedade e foram classificados para a próxima fase.

Um dos trabalhos que avançam, é a pesquisa intitulada "Incubadora Inteligente Guiada por Aplicação Móvel", desenvolvida por estudantes do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) do Campus de Aquidauana. O projeto ganhou visibilidade, principalmente, pela inovação, uma vez que visa simplificar o monitoramento de chocadeiras por meio da utilização de aplicativo.

Mato Grosso do Sul está entre os dez estados com maior número de projetos finalistas na principal feira científica do país
Foto: Divulgação.

Para o professor e orientador do trabalho, Vinicius Maeda, engajar os estudantes em atividades de pesquisa científica representa uma oportunidade única para cultivar o pensamento crítico. "Eles mergulham na metodologia de pesquisa, formulam hipóteses e identificam problemas. Esse conhecimento é fundamental para prepará-los para os desafios da vida", afirma Maeda.

Na edição de 2023, a Feira contou com a participação de 513 estudantes finalistas. Em 2024, ainda segundo relata o professor, as expectativas entre os alunos para a nova edição estão mais altas do que nunca. "Eles estão extremamente entusiasmados com a oportunidade de compartilhar os resultados e contribuir para o avanço da ciência e tecnologia”.

Sentimento compartilhado pela finalista do SESC Horto em Campo Grande, Leticia Losi. O projeto desenvolvido por ela, em colaboração com o orientador Adriano Maliuk, pertence à área da Astronomia. Com a participação, a estudante deseja não apenas compartilhar conhecimentos com os demais finalistas, mas também ter contato com pessoas de diversas partes do Brasil.

"Vamos demonstrar nossa capacidade de pesquisa para outras pessoas, e isso é essencial, pois representa uma conexão real com o desenvolvimento das ciências e possui um valor imensurável", destaca Leticia.

Apoio do Grupo Arandú ao desenvolvimento científico

O Grupo Arandú, vinculado à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), desempenha um papel crucial no apoio ao desenvolvimento científico por meio do projeto UhéMS. Anualmente, a iniciativa oferece capacitações aos alunos da Educação Básica de Mato Grosso do Sul que se destacam em feiras científicas.

As ações promovidas pelo Grupo em relação à FEBRACE começaram já na primeira fase da Feira. Entre os dias 5 e 7 de janeiro, os 14 projetos semifinalistas inscritos na capacitação passaram por uma série de apresentações e avaliações, visando aprimorar aspectos essenciais dos projetos. Desses, sete foram classificados para a fase final da Feira.

Mato Grosso do Sul está entre os dez estados com maior número de projetos finalistas na principal feira científica do país
Foto: Divulgação.

De acordo com um dos organizadores do projeto, Guilherme Brandão, o fato de 87% dos projetos classificados como finalistas terem participado da preparação oferecida pelo Grupo é um indicativo do sucesso de iniciativas como essa. "Estamos extremamente satisfeitos com o desempenho dos alunos e orientadores, que são nossa maior fonte de motivação ao desenvolvermos essas capacitações", afirma Brandão.