Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 7 de Maio de 2021

Esporte

Gadelha rebate Cortney Casey: "Já fez quatro lutas e nunca chocou ninguém"

Brasileira diz que, mesmo a luta não a levando a lugar algum, acha que a americana é melhor do que algumas atletas ranqueadas que não aceitaram enfrentá-la no Brasil

Combate.com

18 de Novembro de 2016 - 10:36

A frase de Cortney Casey, de que teria aceitado enfrentar Cláudia Gadelha no UFC São Paulo para dar à brasileira a chance de se apresentar em seu país não "colou" junto à número um do ranking dos pesos-palhas do UFC. Em conversa com a imprensa no "media day" esta quinta-feira em um hotel da capital paulista, Gadelha disse que a adversária estaria tentando passar uma imagem de boazinha.

- Eu acho que não foi bem isso, e ela talvez esteja querendo dar uma de boazinha. Lutador nenhum realiza sonho do outro. Nós destruímos os sonhos uns dos outros. Eu fico feliz por ela ter topado lutar comigo no Brasil, porque nós tentamos outras adversárias e elas não toparam. Ela foi a única que topou, e fez essa luta acontecer aqui, que era o que eu queria muito que acontecesse.

Também em resposta a Casey, que afirmou ao Combate.com que chocaria o mundo e que seria conhecida por todos no domingo, Gadelha reagiu com sarcasmo. - Ela já teve quatro oportunidades de chocar todo mundo no UFC, mas nunca chocou ninguém. Não é agora que ela vai fazer diferente, ainda mais contra uma adversária como eu. Mas quem tem boca fala o que quer.

A brasileira, que passou a morar nos EUA e abriu sua própria equipe, a Team Gadelha, após deixar a Nova União, reiterou as melhorias que a mudança lhe trouxe. As principais, segundo ela, foram ter se tornado mais profissional e conseguido se concentrar mais nos treinos, evitando as preocupações que atrapalhavam sua preparação. - Fiz o camp pra essa luta lá fora, treinei na altitude para melhorar o meu gás e estou me sentindo muito bem. Eu me tornei mais profissional, passei a fazer as coisas de um jeito mais certo, como eu precisava fazer. Aqui no Brasil eu ficava muito estressada, tinha muitas preocupações, e lá eu pude ficar por oito semanas focando só na minha luta, no meu camp. Isso faz muita diferença no final. Estou muito bem. Esse foi o melhor corte de peso da minha vida. Falta 1,5kg pra eu bater o peso. Antigamente, nessa mesma fase - dois dias antes da luta - eu tinha que cortar 5kg ou 6kg. Isso vai fazer diferença, porque eu não estou desidratando nem levando meu corpo a um desgaste muito grande

Gadelha também revelou ter ficado muito nervosa ao receber o convite para lutar em São Paulo. A peso-palha jamais atuou pelo evento no país, e inicialmente temeu por sua reação diante dos fãs locais. Mas a reação do público no UFC 190, no Rio de Janeiro, a fez mudar de opinião.

- Quando eu recebi a proposta pra lutar pela primeira vez no Brasil eu fiquei muito nervosa, achei que não ia ser legal pra mim. Tive medo de como iria me comportar. Eu já tinha ido a outros eventos do UFC aqui e vi como o público fica. Mas quando eu entrei no UFC 190, no Rio, e senti a energia da galera, eu falei: "Isso aqui é o meu pedaço, a minha área e ninguém toma e ninguém faz nada comigo aqui." Senti uma energia muito boa, e estava querendo muito sentir isso de novo. Queria lutar no Brasil porque gostei daquela sensação.
A brasileira admite que a luta contra Cortney Casey não deve melhorar sua posição na corrida pela disputa de cinturão, mas admite que a avaliação do resultado passará pela sua performance no decorrer da luta e de como ela fará o duelo parecer aos olhos dos fãs. - Essa luta não me leva muito a lugar nenhum, mas depende muito da forma como eu vou lutar com ela. Ou eu faço ela parecer uma lutadora não ranqueada, ou eu faço uma luta dura contra uma menina que deveria estar ranqueada, mas ainda não está. Eu acho que deveria, porque ela é melhor que várias atletas que estão no ranking, mas ainda não teve a oportunidade de mostrar o trabalho dela. Mas não vou focar no que ela pode me trazer, e sim no que eu posso conseguir. Meu foco é na vitória sem pensar na consequência. Sei que a Cortney é uma adversária dura, muito guerreira, anda para a frente o tempo inteiro, sempre busca a luta e vai atrás da finalização ou o nocaute. Mas estou pronta, com o jogo todo montado e ansiosa para o sábado à noite. O forte dela é o chão, e acho que ela vai querer levar a luta para lá, mas estou bem em todas as áreas.

O Combate transmite o UFC São Paulo na íntegra, ao vivo e com exclusividade no próximo sábado, dia 19 de novembro, a partir de 21h (horário de Brasília). O Combate.com transmite as duas primeiras lutas do card preliminar em vídeo e o restante do evento em Tempo Real, também na íntegra. 

UFC Fight Night
19 de novembro, em São Paulo (SP)
CARD PRINCIPAL (a partir de 0h, horário de Brasília):
Peso-meio-pesado: Rogério Minotouro x Ryan Bader
Peso-galo: Thomas Almeida x Albert Morales
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Cortney Casey
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Kamaru Usman
Peso-médio: Thales Leites x Krzysztof Jotko
Peso-meio-médio: Serginho Moraes x Zak Ottow
CARD PRELIMINAR (a partir de 21h, horário de Brasília):
Peso-meio-pesado: Francimar Bodão x Darren Stewart
Peso-médio: Cézar Mutante x Jack Hermansson
Peso-meio-pesado: Marcos Pezão x Gadzhimurad Antigulov
Peso-galo: Johnny Eduardo x Manny Gamburyan
Peso-pesado Luis Henrique KLB x Christian Colombo
Peso-galo: Pedro Munhoz x Justin Scoggins